Marco Ficini, o adepto da Fiorentina que morreu em Lisboa

Tinha 41 anos e estava em Portugal para assistir com as claques do Sporting ao dérbi deste sábado

Chamava-se Marco Ficini, tinha 41 anos e estava em Lisboa para assistir ao dérbi entre Sporting e Benfica deste sábado. O adepto da Fiorentina, clube que tem ligações históricas ao Sporting, não resistiu aos ferimentos depois de ser atropelado na rotunda sul nas imediações do Estádio da Luz; alegadamente, o atropelamento terá sido o culminar de confrontos entre claques sportinguistas e benfiquistas, ainda que a polícia não confirme para já que decorreu de "altercações entre adeptos dos dois clubes".

Segundo o jornal italiano Corriere dela Sera , que dá conta da morte do adepto italiano em Portugal, Marco Ficini pertencia ao "Gruppo Roma" da 7 Bello, uma claque da Fiorentina. De acordo com a página no Facebook, era natural de Roma mas vivera em Florença. Estaria agora a trabalhar em Milão.

O La Repubblica adianta que Ficini estava em Lisboa com mais uma dezena de adeptos do clube italiano, para apoiar o Sporting num "dérbi difícil". Em Florença, a notícia da morte do adepto foi recebida com estupefação e a claque da Fiorentina já decidiu que não irá expor cartazes ou faixas na partida do clube marcada para esta noite na cidade, contra o Inter de Milão, como manifestação de luto.

A Fiorentina também já lamentou a morte de Marco Ficini. Nas redes sociais, o clube disse lamentar a "morte trágica em Lisboa do adepto" e endereçou condolências à família.

O atropelamento ocorreu ao início da madrugada, na Avenida Machado Santos, junto à rotunda sul do Estádio da Luz, tendo a PSP sido chamada ao local pelas 02:40 depois de alertada para a existência de confrontos.

A polícia encontrou no local apenas o corpo da vítima. A ocorrência foi já entregue à Polícia Judiciária, que investiga a possibilidade de se ter tratado de um homicídio.

Sporting e Benfica já lamentaram e repudiaram a morte de Marco Ficini. Os encarnados asseguraram em comunicado que , por disporem de "meios audiovisuais de segurança naquela área", estão já em estreita colaboração com as autoridades "no sentido de fornecer os necessários elementos para se apurar as circunstâncias em que este triste e lamentável acontecimento ocorreu".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.