Marco Ficini, o adepto da Fiorentina que morreu em Lisboa

Tinha 41 anos e estava em Portugal para assistir com as claques do Sporting ao dérbi deste sábado

Chamava-se Marco Ficini, tinha 41 anos e estava em Lisboa para assistir ao dérbi entre Sporting e Benfica deste sábado. O adepto da Fiorentina, clube que tem ligações históricas ao Sporting, não resistiu aos ferimentos depois de ser atropelado na rotunda sul nas imediações do Estádio da Luz; alegadamente, o atropelamento terá sido o culminar de confrontos entre claques sportinguistas e benfiquistas, ainda que a polícia não confirme para já que decorreu de "altercações entre adeptos dos dois clubes".

Segundo o jornal italiano Corriere dela Sera , que dá conta da morte do adepto italiano em Portugal, Marco Ficini pertencia ao "Gruppo Roma" da 7 Bello, uma claque da Fiorentina. De acordo com a página no Facebook, era natural de Roma mas vivera em Florença. Estaria agora a trabalhar em Milão.

O La Repubblica adianta que Ficini estava em Lisboa com mais uma dezena de adeptos do clube italiano, para apoiar o Sporting num "dérbi difícil". Em Florença, a notícia da morte do adepto foi recebida com estupefação e a claque da Fiorentina já decidiu que não irá expor cartazes ou faixas na partida do clube marcada para esta noite na cidade, contra o Inter de Milão, como manifestação de luto.

A Fiorentina também já lamentou a morte de Marco Ficini. Nas redes sociais, o clube disse lamentar a "morte trágica em Lisboa do adepto" e endereçou condolências à família.

O atropelamento ocorreu ao início da madrugada, na Avenida Machado Santos, junto à rotunda sul do Estádio da Luz, tendo a PSP sido chamada ao local pelas 02:40 depois de alertada para a existência de confrontos.

A polícia encontrou no local apenas o corpo da vítima. A ocorrência foi já entregue à Polícia Judiciária, que investiga a possibilidade de se ter tratado de um homicídio.

Sporting e Benfica já lamentaram e repudiaram a morte de Marco Ficini. Os encarnados asseguraram em comunicado que , por disporem de "meios audiovisuais de segurança naquela área", estão já em estreita colaboração com as autoridades "no sentido de fornecer os necessários elementos para se apurar as circunstâncias em que este triste e lamentável acontecimento ocorreu".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

Igreja Católica

Premium Quando Deus dá poder para o crime

O número três do Vaticano está acusado de abuso sexual na Austrália, o número dois é suspeito de encobrimento num processo em França, no Chile há rusgas ao bispado e o relatório da Pensilvânia choca o mundo. Mais de 20 anos após os primeiros escândalos de abuso sexual de menores terem abalado a Igreja Católica, a dimensão do crime e do seu encobrimento continua a surpreender. Há redenção possível para uma organização que propicia tais horrores?