Gastão Elias é o segundo melhor português de sempre

O tenista encontra-se no 57º lugar do ranking ATP. João Sousa desceu uma posição e é 34º da lista

O tenista português Gastão Elias alcançou esta segunda-feira a sua melhor classificação de sempre no ranking ATP, ao fixar-se no 57º lugar, após uma semana em que chegou aos quartos-de-final do torneio de Estocolmo.

O percurso no torneio sueco, onde eliminou na segunda ronda o francês Gael Monfils, um membro do top 10, permitiu ao número dois português saltar quatro posições e entrar no grupo dos 60 melhores do mundo.

Com esta classificação, Gastão Elias tornou-se no segundo melhor tenista português de sempre, estatuto que tirou a Rui Machado, que chegou a estar classificado em 59º da hierarquia.

Por sua vez, João Sousa desceu um lugar, para 34º, ao fim de uma semana em que foi eliminado logo na primeira ronda do torneio de Antuérpia, na Bélgica, por um jogador proveniente do torneio de qualificação, o romeno Marius Copil.

O número três luso, Pedro Sousa, que na semana passada chegou aos quartos-de-final do challenger (segundo escalão do circuito mundiais) de Santiago do Chile, manteve-se na posição 188.

No cimo da tabela, o sérvio Novak Djokovic, sob ameaça de Andy Murray, folgou um pouco mais a margem para o perseguidor, liderando agora o ranking com mais 2415 pontos que o britânico, que há uma semana estava à distância de 2055 pontos.

No grupo dos dez melhores, Monfils desceu uma posição, para oitavo, após a curta passagem por Estocolmo, cedendo a sétima posição ao suíço Roger Federer, que não joga desde o Grand Slam de Wimbledon e só regressa em 2017.

Numa altura em que se disputa o Masters feminino, em Singapura, e que a alemã Angelique Kerber já sabe que terminará o ano no topo da classificação, destronando a norte-americana Serena Williams, o top 10 manteve-se inalterado.

A número um portuguesa, Michelle Larcher de Brito, caiu seis lugar na classificação mundial e surge esta semana na posição 231.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.