Vitória e boa exibição que merecia mais golos

Manuel Fernandes, Gonçalo Guedes e João Mário marcaram os golos da vitória sobre a Arábia Saudita. Santos promoveu quatro estreias

Portugal venceu esta sexta-feira a Arábia Saudita por 3-0 num jogo particular em Viseu que serviu de preparação para o Mundial da Rússia e que teve associado um cariz de solidariedade - foram angariados mais de 360 mil euros (através de receitas de bilheteira e donativos feito através de chamadas telefónicas) para a ajuda na reconstrução de casas de primeira habitação de famílias dos concelhos afetados pelos fogos no verão.

Foi um bom teste, num jogo onde Fernando Santos aproveitou para ver em ação vários jogadores menos utilizados (entre eles os estreantes Kevin Rodrigues, que jogou de início, e ainda Edgar Ié, Bruno Fernandes e Bruma) e no qual a seleção nacional podia ter construído uma goleada histórica, tantas foram as oportunidades desperdiçadas. É mesmo caso para dizer que a exibição merecia mais golos num jogo onde o guarda-redes Anthony Lopes (ocupou o lugar de Rui Patrício) não teve trabalho praticamente nenhum.

Manuel Fernandes, que voltou a jogar pela seleção principal cinco anos depois, e com uma grande exibição, marcou o primeiro golo de Portugal na primeira parte (32 minutos), no seguimento de uma boa assistência de Gonçalo Guedes.

O agora jogador do Valência (está a fazer uma grande temporada na Liga espanhola) apontou o segundo de Portugal, a passe de Ricardo Pereira, aos 52 minutos. Gonçalo Guedes, aliás, foi dos jogadores que mais oportunidades teve para dilatar o marcador e um dos melhores em campo a par de Manuel Fernandes.

Mesmo em cima dos 90', João Mário, que ontem envergou a braçadeira de capitão depois da saída de Pepe, marcou um grande golo, num remate forte e colocado de pé direito de fora da área.

O 3-0 final não espelha o domínio intenso de Portugal durante os 90 minutos (a seleção nacional fez 26 remates dentro da área saudita). Fernando Santos terá ficado agradado com a exibição e sobretudo com a atitude dos jogadores neste particular diante de uma Arábia Saudita, diga-se, muito fraquinha. Esta seleção portuguesa de segundas linhas (a grande maioria dos titulares ficou de fora da convocatória) deixou muito bons indicadores e a continuarem assim alguns destes futebolistas podem certamente sonhar com um lugar nos 23 que vão estar em 2018 no Mundial.

Ler mais

Exclusivos