Cristiano Ronaldo admite culpa e paga 14 milhões ao Fisco espanhol

É a primeira proposta concreta do jogador às autoridades tributárias

Cristiano Ronaldo vai pagar 14 milhões de euros ao Fisco espanhol, depois de se confessar culpado dos quatro crimes fiscais de que é acusado. O jogador quer encerrar o processo em que é está acusado de evasão fiscal, em relação a uma dívida de 14,7 milhões de euros pela não tributação dos seus direitos de imagem, entre 2011 e 2014.

A notícia é avançada hoje pelo jornal El Mundo, que adianta que esta é a primeira vez que Ronaldo apresenta uma proposta concreta às autoridades tributárias.

Caso o acordo não seja aceite - o futebolista pretende que o valor proposto pague a dívida e a coima - o atleta português poderá ter de pagar um montante de cerca de 100 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.