Ainda falta Portugal ao Mundial de Cristiano Ronaldo

Capitão voltou a alimentar as ambições portuguesas, num triunfo fundamental contra Marrocos. Mas exibição deixou vários alertas

Cristiano Ronaldo...

Assim, isoladamente. Porque o resto (ainda) é um mundo à parte. O capitão está determinado a fazer deste Mundial da Rússia o "seu" Mundial e voltou a demonstrá-lo, frente a Marrocos.

Depois do monumental hat-trick no empate de estreia contra a Espanha, Ronaldo reforçou que não está disposto a desperdiçar tempo nem oportunidade: precisou dos mesmos quatro minutos que demorara a estrear o marcador no primeiro jogo para fazer agora o golo que valeu a Portugal um triunfo fundamental contra Marrocos, neste segundo jogo no torneio.

Essa é, repita-se, a grande notícia: CR7 está de corpo e mente inteiros neste campeonato do mundo, elevando-se para já como a grande figura da competição. E disfarça uma outra, que já começa a ser difícil de esconder: falta aparecer Portugal no Mundial do seu capitão. Tirando um par de honrosas exceções (com especial menção para Rui Patrício, antes de Moutinho e William), a seleção campeã da Europa vai fazendo figura de corpo presente no sonho de Ronaldo.

Se as emoções de um marcador frenético contra a Espanha, aliadas ao reconhecido futebol superior do rival ibérico, tinham permitido secundarizar as debilidades expostas pela seleção nacional na estreia, o triunfo agónico frente a Marrocos sublinhou-as a bold.

Não haja mal-entendidos. Foi sofrida, sofrida, sofrida... a vitória que deixou Portugal com um pé nos oitavos-de-final do Mundial, dependente agora apenas desse duelo direto com o Irão de Carlos Queiroz na última jornada do grupo, dia 25. Marrocos, é justo ressalvar, merecia ter saído do jogo com melhor sorte do que a derrota tangencial que a elimina desde já neste Mundial.

Portugal ancorou-se no golo madrugador de Cristiano Ronaldo - ganhou em antecipação, num canto, ao antigo internacional jovem português Manuel da Costa, a novidade falhada de Marrocos para esta partida - e pouco mais jogou nesta partida. Mantendo Gonçalo Guedes como parceiro de Ronaldo no ataque, ao contrário das previsões que apontavam ao regresso de André Silva, Fernando Santos fez uma única alteração no onze face à equipa que entrara frente à Espanha: João Mário no lugar de Bruno Fernandes.

Se a ideia era aproveitar rotinas antigas do meio-campo (com William eMoutinho) que fez a maior parte da qualificação ou tirar proveito da capacidade de condução de bola do médio do West Ham para reter posse e perfurar espaços, a realidade denunciou um flop. Não apenas de João Mário, entenda-se, mas de todo o plano de jogo de Portugal.

O capitão está determinado a fazer deste Mundial da Rússia o "seu" Mundial e voltou a demonstrá-lo, frente a Marrocos.

Sem capacidade para construir ou manter bola, orfã de qualquer dinâmica coletiva, a seleção nacional foi engolida em campo pela reação marroquina, que encheu o relvado com um futebol rápido, agressivo e na procura constante da superioridade nas faixas laterais.

Raphael Guerreiro foi a vítima preferida dos marroquinos, que insistiram no aproveitamente daquele corredor para lançar sucessivas ofensivas de um-para-um entre o recuperado Amrabat (aquele que saíra do jogo com o Irão com uma contusão cerebral) e o lateral português, baralhado com a facilidade com que Marrocos criava situações de superioridade naquela zona - com os criativos Zyech e Belhanda sempre na procura desses espaços descurados pelo posicionamento defensivo de Portugal, entre a linha média e as faixas.

Perante o domínio do adversário, intenso, Portugal não conseguiu fazer mais do que resistir. Bola, "nem vê-la". Ou melhor, só vê-la mesmo, a passar dos pés de um marroquino para outro. Porque criar jogo, zero. Nem com Bernardo Silva (continua muito abaixo das expetativas) e João Mário, nem, mais tarde, com Gelson Martins e Bruno Fernandes, apesar de ligeira melhoria.

Valeu, isso sim, como já valera para a conquista do título europeu de há dois anos, um coração enorme e assinalável capacidade de sofrimento perante a ofensiva desesperada dos marroquinos. Muitas vezes com mais sorte do que critério. Num par de lances, também, por mérito enorme de Rui Patrício, autor de uma extraordinária defesa a cabeceamento de Belhanda que pode e merece muito bem ser equiparada ao golo de Ronaldo. Teve a mesma importância para a vitória de Portugal.

Portugal não conseguiu fazer mais do que resistir. Bola, "nem vê-la". Ou melhor, só vê-la mesmo, a passar dos pés de um marroquino para outro.

Por todo o contexto, estes três pontos são uma preciosidade. Que Portugal tem de fazer (mais) por merecer daqui para a frente. A começar já pelo decisivo duelo direto com o Irão. É que talvez nem o melhor Cristiano Ronaldo chegue para tudo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.