Inter goleia (7-1) Atalanta e bate recorde com 84 anos

O clube italiano onde o atua o português João Mário, que entrou aos 70 minutos, recebeu e venceu a Atalanta por 7-1

O Nápoles subiu este domingo provisoriamente à segunda posição da liga italiana de futebol, num dia em que o Inter de Milão goleou a Atalanta, por 7-1, na 28.ª jornada.

Em Milão, o Inter impôs uma pesada derrota a uma das surpresas da prova, com os argentinos Mauro Icardi e Ever Banega em destaque, ambos com um 'hat-trick'. Desde 10 de setembro de 1933, que dois jogadores do Inter não marcavam três golos no mesmo jogo, feito então alcançado por Meazza e Demaria.

Com golos aos 17, 23 (grande penalidade) e 26 minutos, Icardi conseguiu o 'hat-trick' mais rápido de um jogador do Inter desde 26 de outubro de 1947, quando Benito Lorenzi precisou de 18 para festejar três golos.

Banega, que foi substituído por João Mário aos 70 minutos, marcou aos 31, 34 e 68 minutos, e ainda fez a assistência para Roberto Gagliardini (52), tendo o suíço Remo Freuler reduzido para a Atalanta, aos 42 minutos.

Com este triunfo, o Inter subiu ao quatro lugar, com 54 pontos, a cinco pontos da AS Roma, que ocupa o último lugar de acesso à Liga dos Campeões, e com mais um do que a Lazio, tendo as duas equipas romanas menos um encontro disputado.

A Atalanta, uma das surpresas da liga italiana esta época, caiu para o sexto lugar, já fora dos postos de qualificação europeia, com 52 pontos.

No seu 200º jogo pelo Nápoles, Lorenzo Insigne foi decisivo no triunfo por 3-0 sobre o Crotone, ao bisar, aos 32 e 70 minutos, o primeiro de grande penalidade, forma como o belga Dries Mertens também marcou, aos 66.

Os napolitanos subiram provisoriamente ao segundo lugar, com 60 pontos, a 10 da líder Juventus e com mais um ponto do que a AS Roma, que joga ainda hoje com o Palermo, enquanto o Crotone é penúltimo.

A Fiorentina, treinada pelo português Paulo Sousa, foi salva aos 90+2 minutos, pelo croata Nikola Kalinic, que deu o triunfo sobre o Cagliari, que teve Bruno Alves no 'onze' por 1-0, seguindo o conjunto 'viola' na oitava posição, a oito pontos da zona de qualificação europeia.

O Chievo, 11º classificado, goleou o Empoli, 17º e primeiro acima da 'linha de água', por 4-0, a Udinese (12ª) venceu em casa do Pescara (18º), por 3-1, e o Bolonha (14º) triunfou no terreno do Sassuolo (13º), por 1-0.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...