Hat trick de Messi no 25.º título de campeão do Barcelona

Catalães venceram na Corunha e somaram mais um título de campeão, o primeiro de André Gomes e Nélson Semedo

O Barcelona sagrou-se ontem campeão a quatro jornadas do final da Liga espanhola. A equipa catalã necessitava apenas de um empate na Corunha, frente ao Deportivo, para abrir o champanhe, mas não facilitou e venceu os galegos por 4-2, que com este resultado foram relegados para a II Divisão.

Este foi o 25.º título de campeão espanhol da história do Barcelona, o nono de Lionel Messi e de Andrés Iniesta (o jogador com mais anos no clube que se vai despedir no final desta temporada), e o primeiro dos portugueses André Gomes e Rúben Semedo. Isto numa época em que o clube ainda não sofreu derrotas no campeonato e soma 86 pontos, mais 11 do que o At. Madrid, segundo classificado, e 15 que o Real Madrid, terceiro.

O triunfo do Barcelona começou a ser construído cedo, com um golo de Philippe Coutinho logo aos sete minutos. Antes do intervalo, Messi fez o 2-0, mas Lucas Perez reduziu. No segundo tempo, Colak igualou a partida, mas o inevitável Messi, nos últimos oito minutos, selou a vitória com mais dois golos (já leva 32 esta época no campeonato, lidera a corrida à Bota de Ouro e tornou-se no primeiro jogador da história da Liga espanhola a apontar pelo menos 30 golos em sete temporadas consecutivas).

De acordo com o jornal catalão Sport, Messi atingiu ontem os 1000 golos em toda a carreira, desde que se tornou jogador federado, ainda na Argentina, aos 7 anos, ao serviço do Newell"s Old Boys.

Apesar dos festejos de ontem (o Barcelona fez a dobradinha, pois juntou também a Taça do Rei ao campeonato, o que acontece pela oitava vez na história do clube), a grande comemoração está marcada para esta tarde, estando previsto um cortejo do plantel pela cidade. No próximo fim de semana também haverá festa em Camp Nou e com um convidado de honra: o Real Madrid. Mas Zinedine Zidane, treinador dos merengues, já avisou que a sua equipa não irá fazer o tradicional passillo - uma guarda de honra do clube adversário ao novo campeão, onde os jogadores se perfilam e aplaudem os vencedores do título.

"Este campeonato tem um sabor a glória, como todos os que já conquistámos. Cada vez custa mais, mas conseguirmos ganhar sete das últimas dez ligas é uma barbaridade. Fizemos um campeonato quase perfeito", disse no final da partida o médio Sergio Busquets, deixando ainda uma palavra a Iniesta: "É um adeus triste, perdemos um grande capitão, um grande jogador e uma enorme pessoa."

Mourinho vence Wenger

Na Liga inglesa, ontem foi dia de clássico, com o Manchester United de José Mourinho a receber o Arsenal de Arsène Wenger - os red devils venceram por 2-1, com golos de Paul Pogba (16") e Fellaini já na compensação - pelos gunners marcou Mkhitaryan. Um resultado que permitiu ao United cimentar o segundo lugar, agora com mais cinco pontos do que o Liverpool, que na véspera empatara em casa com o Stoke City. Já os gunners mantiveram o sexto lugar.

Este jogo pode ter marcado o derradeiro confronto entre Mourinho e Wenger, dado que o francês já anunciou que vai deixar o Arsenal no final da época (esteve 22 anos à frente do clube londrino) e muito provavelmente o seu destino será o futebol chinês - o gaulês foi alvo de uma homenagem antes do jogo e recebeu das mãos de Alex Ferguson uma taça de cristal. No duelo particular com Mourinho, o treinador português saiu claramente vencedor nos 19 duelos entre ambos, com 10 triunfos, sete empates e apenas duas derrotas.

Ainda na Liga inglesa, o já campeão Manchester City, com Bernardo Silva no banco, deslocou-se a Londres e venceu o West Ham (João Mário entrou aos 64") por 4-1, com golos de Sane, um autogolo de Zabaleta, Gabriel Jesus e Fernandinho. Um triunfo que permitiu ao clube de Guardiola estabelecer um novo recorde mundial, tornando-se na única equipa do planeta a conseguir marcar mais do que 100 golos em duas épocas diferentes. Nesta temporada já levam 102, o mesmo número de golos marcados na temporada 2013/14, quando também se sagraram campeões, na altura orientados por Manuel Pellegrini.

O City tem ainda outro recorde na mira - tentar chegar aos 100 pontos, algo que nenhuma equipa inglesa conseguiu até hoje. Para já vão nos 93 e têm mais três jogos (um total de nove pontos) até ao final do campeonato para o fazer.

Em Itália, a Juventus pode começar a encomendar as faixas, pois está mais perto de comemorar o sétimo título consecutivo. O Nápoles, que estava na corrida, foi derrotado por 2-0 no terreno da Fiorentina (dois golos de Simeone, filho do treinador do At. Madrid) e ficou agora a quatro pontos da equipa de Turim, numa altura em que faltam cumprir três jornadas. Na liga italiana, destaque ainda para o triunfo do AC Milan, por 2-1, no campo do Bolonha, com golos de Calhanoglu e Bonaventura. O português André Silva não saiu do banco.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG