Fernando Santos: "O futebol não tem medo"

Selecionador nacional fala da importância do jogo desta terça-feira com a Bélgica

Fernando Santos abordou esta segunda-feira o jogo particular diante da Bélgica desta terça-feira, felicitando o facto de as duas seleções terem mantido o jogo apesar dos atentados de Bruxelas da semana passada, que obrigaram a que o encontro seja realizado em Leiria e não na capital belga, como estava inicialmente previsto.

"O sinal que dá este jogo é muito importante. O futebol não tem medo. Não devemos deixar que os outros nos obriguem a fazer o que não queremos fazer. Não pôde ser realizado em Bruxelas. É aqui e é uma grande solução. Se fosse lá tinha uma carga emocional diferente e se tivesse sido logo a seguir aos atentados teria uma carga emocional diferente. Durante o jogo não acredito que os jogadores acusem isso", disse Fernando Santos.

Apesar da derrota frente à Bulgária no particular de sexta-feira, o selecionador Fernando Santos garantiu que não vai alterar os seus planos. "Marcha atrás? Nem pensar. O conceito será dentro de um 4x4x2 ou de um 4x3x3 móvel. Os jogadores estão numa fase de aprendizagem. Mas quero uma equipa mais móvel. Às vezes vai parecer um 4x4x2, outras um 4x3x3 móvel. Tudo vai depender das dinâmicas. Não vou variar muito de sistema tático. Não faria sentido nenhum mudar agora", apontou.

Este é o derradeiro jogo antes do anúncio dos 23 convocados para o Europeu. Mas o selecionador não abriu o jogo quanto a nomes. "Quando entrarmos em estágio vão 23 jogadores. Haverá uma lista naturalmente mais alargada de reserva. Mas trazer 25/26 e depois ir tirando jogadores não faz bem a ninguém. Já fiz essa experiência na Grécia e correu muito mal. Não a vou fazer. Aqui estão 24 e no Euro só podem estar 23, e até por aí as coisas correram bem."

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.