Telma Monteiro quer voltar a subir ao pódio nos Europeus de Judo

"Vai ser a minha 12.ª participação em Campeonatos da Europa. Nos dois Europeus anteriores, em 2016 e 2017, não pude competir porque estava lesionada, e na última vez que competi, em 2015, fui campeã da Europa", afirmou à BTV

A portuguesa Telma Monteiro (-57 kg) revelou esta segunda-feira o objetivo chegar ao pódio nos Europeus de judo, em Telavive, competição em que compete na quinta-feira e na qual tenta o pleno de medalhas na 12.ª participação.

"Vai ser a minha 12.ª participação em Campeonatos da Europa. Nos dois Europeus anteriores, em 2016 e 2017, não pude competir porque estava lesionada, e na última vez que competi, em 2015, fui campeã da Europa", começou por dizer a judoca, em declarações à BTV.

Telma Monteiro, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio2016, tem 11 medalhas nos Europeus, em todos os que competiu, com cinco títulos de campeã europeia, cinco medalhas de bronze e uma de prata.

Desde 2004, quando ainda competia nos -52 kg, a judoca apenas falhou os Europeus de 2008, em Lisboa, e de 2016 e 2017, em todos devido a lesões.

Em Telavive, a judoca quer voltar a subir ao pódio, num ano em que já conquistou a medalha de ouro no Grand Slam de Ekaterimburgo, em março, e depois de ter sido sétima no Grand Slam de Paris.

"O meu objetivo é estar no pódio. Seria algo mais uma vez histórico, no sentido de que vai ser bastante competitivo, porque o nível está muito equilibrado, mas estou confiante de que posso fazer uma boa prestação", disse ainda a judoca.

Nos Europeus de 2018, a disputar em Telavive, entre quinta-feira e sábado, Portugal conta com 15 judocas, sete em femininos e oito em masculinos.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.