Azar bateu à porta. Quaresma contra a Islândia é cenário quase impossível

Avançado sofreu estiramento muscular e faz hoje teste final, mas não deve recuperar. Talvez jogue contra a Áustria. Avança Nani

O azar bateu à porta de Ricardo Quaresma, o futebolista da seleção que irradiava mais alegria e que mostrava estar a passar por um período de enorme felicidade. O avançado do Besiktas, grande figura dos jogos de preparação de Portugal para o Euro, estava a bater à porta da titularidade numa corrida de trás para a frente em que parecia ter ultrapassado Nani como acompanhante de Ronaldo no ataque da seleção. Hoje ainda fará um teste mas é quase certo que vai ficar a sofrer por fora amanhã. Se tal acontecer o próximo objetivo passa por recuperá-lo a tempo do encontro do próximo sábado com a Áustria, no Parque dos Príncipes. O que também não é garantido.

O dianteiro formado no Sporting saiu com queixas do treino de sexta-feira e ontem de manhã continuava com dores, tendo sido riscado imediatamente do treino. Antes do mesmo, a Federação informava que "por precaução, devido a uma mialgia na coxa direita", Ricardo Quaresma não iria treinar. A essa hora já o avançado estava a caminho de uma clínica em Evry, situada a 20 quilómetros do Centro de Estágio onde Portugal prepara o Europeu, com o objetivo de realizar uma ressonância magnética.

Ao que o DN apurou o exame foi conclusivo: Quaresma contraiu um estiramento muscular na coxa direita, logo está praticamente fora do jogo de amanhã, mas, mesmo que recupere milagrosamente - é preciso mesmo quase algo de divino para que Ricardo Quaresma possa defrontar a Islândia em Saint-Étienne -, Fernando Santos terá de decidir se quer arriscar colocar em campo o virtuoso jogador sob pena de o perder para o resto da competição.

Hoje, Ricardo Quaresma segue com a equipa e vai treinar de forma condicionada no treino de adaptação ao Estádio Geoffroy-Guichard, o mais antigo dos dez recintos gauleses onde se disputa o Euro - inaugurado em 1931, já sofreu três remodelações.

Receios desvanecidos

O DN sabe que antes de se deslocar à clínica, o departamento médico percebeu logo que existia um problema de índole muscular. As queixas matinais feitas pelo jogador não apontavam para algo de grave que, por exemplo, levasse a uma paragem longa que pudesse colocar o Euro em risco. O exame desvaneceu esses piores receios e agora, se tudo correr bem, Ricardo Quaresma poderá voltar às opções de Fernando Santos. Mas quando? Pois, isso é mais complicado de dizer. A avaliação clínica aponta, ao que o DN apurou, para que Ricardo Quaresma, que tem apenas dois jogos realizados em fases finais de seleções, tenha uma elevada percentagem de falhar apenas o compromisso com a Islândia. Se tudo correr como o previsto estará apto a jogar sábado com a Áustria, porém, essa não é uma certeza que se possa dar neste momento e só os próximos dias poderão trazer mais luz sobre o assunto. O cenário traçado ontem é linear: só uma recuperação recorde o fará defrontar a a Islândia e se tudo correr pelo melhor estará disponível para o segundo jogo da fase de grupos com a Áustria e, por consequência, para o que resta do Europeu.

Menos uma dúvida

Fernando Santos terá menos dúvidas em relação ao onze que vai apresentar amanhã de início em Saint-Étienne do que a maioria dos portugueses. Ainda assim, pelo que o DN conseguiu saber, o selecionador foi experimentando algumas soluções durante os últimos treinos para alguns dos lugares em que ainda não tinha tomado uma decisão definitiva.

Certos no onze parecem estar o guarda-redes Rui Patrício, Pepe, Ricardo Carvalho, os médios Danilo, João Moutinho, João Mário, André Gomes Cristiano Ronaldo e agora Nani, que começou a titular na ideia inicial do selecionador mas que foi perdendo a corrida para Ricardo Quaresma, autor de três golos nos três jogos de preparação.

Não era certa a utilização de Quaresma no onze inicial, mas estava, antes da lesão, já bem melhor colocado do que Nani. Com o que se passou, Fernando Santos terá ficado com menos uma dúvida para resolver.

Ficam a faltar os laterais. Nas alas da defesa, Vieirinha, na direita, e Raphael Guerreiro, na esquerda, parecem estar em vantagem, mas só isso. Cédric e Eliseu, que tem a seu favor o facto de ser muito mais experiente do que o irreverente Raphael Guerreiro, não perderam a corrida e se há setor em que existe um grande equilíbrio é precisamente nos flancos defensivos. A escolha de um ou de outro terá mais a ver com o adversário que Portugal defrontar do que com a diferença de valores entre os quatro laterais, sendo que há uma simbiose nos dois duelos devido à diversidade de características entre os futebolistas em questão em cada ala.

Podia haver a dúvida para saber quem vai estar ao lado de Pepe. Mas, ao que tudo indica, Ricardo Carvalho é o eleito. José Fonte, habituado a lidar na Premier League com futebolistas de enorme poderio físico e com características semelhantes aos avançados da Islândia, podia ter uma palavra a dizer, mas Ricardo Carvalho fará mesmo dupla com Pepe. Bruno Alves perdeu pontos com a recente expulsão em Wembley contra a Inglaterra.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG