Deram o espaço que o leão gosta e este não se fez rogado

Uma mão-cheia de golos acabou com o jejum leonino em Alvalade, graças à inspiração de Bas Dost, que esteve em todos os lances, e Podence. A perder desde cedo, o Chaves nada pôde fazer

Uma exibição segura, um avançado inspirado e um aniversariante endiabrado foi a receita com que o Sporting presenteou o Chaves ontem em Alvalade. Cinco golos, três deles de Bas Dost - também ele a terminar longo jejum -, garantiram aos leões um triunfo tranquilo frente a um adversário que teimou sempre em jogar para a frente, proporcionando espaços que a equipa da casa tanto aprecia para meter o seu futebol rápido. Essa atitude dos transmontanos teve como prémio de consolação o melhor golo da partida, apontado por Davidson.

Depois de três jogos sem marcar em Alvalade, Jorge Jesus preferiu lançar uma equipa mais ofensiva para o jogo com um Chaves que não costuma dar-se bem em Alvalade. Para tal, deixou Battaglia no banco e deu a titularidade a Podence, aniversariante no sábado, que deixara uma excelente imagem no jogo da Taça em Oleiros no regresso após sofrer uma lesão - vagueando pelo campo mas caindo mais à direita, o jovem leão foi um pesadelo para Djavan, que ainda tinha de enfrentar Gelson e Piccini, tendo ainda mais imprevisibilidade às movimentações ofensivas da equipa. Do outro lado, Luís Castro não abdicou do habitual figurino.

Se a intenção do técnico flaviense era a de jogar olhos nos olhos com o seu adversário mais poderoso é algo que ficará por saber. Certo é que, ao sofrer um golo logo aos seis minutos, o Chaves não mais se encolheu e acabou por pagar o preço do atrevimento, saindo para o intervalo a perder por três bolas.

Do outro lado ficou clara a intenção leonina de chegar ao golo cedo. Conseguiu-o, na sequência de um canto apontado por Bruno Fernandes, com Bas Dost a fugir à marcação e a cabecear sem grandes hipóteses para Ricardo, isto apesar de o guarda-redes ainda ter tocado na bola. Seis jogos depois, o holandês voltou a celebrar e não se ficaria por aqui. Nem dez minutos tinham passado e já o 28 leonino voltava a colocar a bola no fundo da baliza, de novo de cabeça mas desta vez após um excelente cruzamento de primeira do inspirado Daniel Podence.

Lance polémico

A vencer com tranquilidade tão cedo, o Sporting foi tendo sempre a preocupação de ter bola. Ainda permitiu um remate de Perdigão que passou sobre a trave, mas logo depois de Acuña rematar de fora da área rente ao poste podia ter chegado aos 3-0 à passagem da meia hora, numa lance que promete gerar polémica durante a semana. Gelson caiu na área em lance com Bressan e viu o amarelo por simulação. Os protestos subiram de tom em Alvalade e Bruno Esteves, o videoárbitro de serviço, avisou o juiz para rever o lance. Rui Costa fê-lo duas vezes mas nem assim viu o toque do transmontano no jovem leão e mandou seguir o encontro sem voltar atrás na sua decisão...

Não foi aí, mas o 3-0 não demorou. Bas Dost quase chegava ao hat trick após mais uma espetacular assistência de Podence, mas no lance imediato compensou o falhanço ao isolar Gelson, que ofereceu o golo a Acuña. Com a baliza deserta, o argentino não perdoou e estabeleceu o resultado ao intervalo. Em 45 minutos apenas o destino dos três pontos ficou resolvido. Se os visitantes pensavam ainda atrapalhar a equipa da casa, ficaram sem ilusões bem cedo quando Acuña, a passe do colega holandês, assinou o quarto golo e bisou, praticamente a seguir a Luís Castro ter feito duas alterações.

Ataque de um lado, ataque do outro, o jogo foi continuando entretido e a mostrar que Gelson Martins atravessa uma crise de confiança quando tem de fazer o último passe. Ainda assim, antes de ser substituído, o extremo ainda iniciou o lance do 5-0, lançando Piccini na direita, com o italiano a colocar na pequena área onde (quem mais?) Bas Dost saltou mais alto do que toda a gente e cabeceou para a baliza - quinto hat trick como leão, feito que não conseguia desde o jogo com o Chaves da última época.

O resultado final seria estabelecido quase em cima do apito final de Rui Costa, numa excelente iniciativa de Davidson, que passou por toda a gente antes de fazer um bonito chapéu a Rui Patrício. O Sporting manteve os dois pontos de distância para o FC Porto, antes da difícil viagem a Vila do Conde.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG