"Temos de nos agarrar às competições internas"

Treinador do Benfica diz que jogo com o Basileia foi o espelho da campanha encarnada nesta Liga dos Campeões

Rui Vitória assume a história negativa. O Benfica teve o pior desempenho de sempre de uma equipa portuguesa na Liga dos Campeões, com seis derrotas em seis jogos, e o técnico aceita a responsabilidade por isso Mas Vitória não quer ficar a lamentar esta campanha e vira já o foco para as provas internas.

"A responsabilidade é sempre do treinador. Isso é uma verdade de La Palice. Temos a noção que temos uma tristeza grande por não conseguir vencer, mas temos já um jogo no próximo sábado para o campeonato. Já acabou esta campanha, vale a pena analisar, mas não estar a esmiuçar. Já não podemos fazer nada. Temos um jogo do campeonato, que é onde nos temos de focar a 100%, depois a Taça de Portugal e a Taça da Liga. Vamos olhar para as competições que estamos a disputar. Olhar para o passado não é a nossa forma de estar. É evidente que não é agradável, que estamos tristes por isso, mas temos que nos agarrar agora às competições internas. Não há outra forma de olhar para isto. Não correu bem, não era isto que queríamos, mas agora não há nada a fazer", disse na flash-interview após o jogo.

Para o treinador das águias, o jogo com o Basileia foi um reflexo de toda a campanha. "Não conseguimos vencer e este jogo acaba por ser o espelho do que foi a nossa caminhada nesta Liga dos Campeões. Estivemos à procura do golo constantemente e a bola não quis entrar. Hoje aconteceu o que aconteceu neste percurso: não fomos objetivamente inferiores à equipa contrária, mas a equipa contrária aproveitou as ocasiões que teve e nós não. Isso na 'Champions' paga-se caro."

Exclusivos

Premium

Flamengo-Grémio

Jesus transporta sonho da Champions para a Libertadores

O treinador português sempre disse que tinha o sonho de um dia conquistar a Liga dos Campeões. Tem agora a oportunidade de fazer história levando o Flamengo à final da Taça Libertadores para se poder coroar campeão da América do Sul. O Rio de Janeiro está em ebulição e uma vitória sobre o Grémio irá colocar o Mister no patamar de herói.