Wolverhampton tenta contratação de João Carvalho

Médio de apenas 20 anos não tem sido opção regular para Rui Vitória, mas é bastante apreciado por Nuno Espírito Santo

O Wolverhampton, líder da II Liga inglesa treinado pelo português Nuno Espírito Santo, está interessado na contratação de João Carvalho, médio de 20 anos do Benfica. Os ingleses já fizeram uma primeira abordagem junto da SAD dos encarnados, mas até ao momento ainda não existe acordo entre as partes.

O médio, que se estreou na Liga dos Campeões na última terça-feira, tendo alinhado os 90 minutos na derrota (0-2) com o Basileia, não tem sido opção regular de Rui Vitória, pois além dessa partida na Champions só jogou nove minutos num jogo da Taça de Portugal. Nesse sentido, tanto a SAD como o próprio jogador não descartam uma saída em janeiro, na reabertura do mercado.

Os primeiros contactos entre as duas partes surgiram no início de novembro, quando Luís Filipe Vieira se deslocou a Londres, na companhia do empresário Jorge Mendes. O Wolverhampton é líder isolado da II Liga inglesa e está apostar forte na subida à Premier League na próxima temporada. O técnico português entende que João Carvalho pode ser um bom reforço e espera que as negociações se concluam.

Refira-se que entre os dois clubes as relações são excelentes, como se pode ver pelos recentes negócios, nomeadamente a transferência de Hélder Costa e o empréstimo de João Teixeira. Além destes dois, jogam no Wolverhampton os portugueses Roderick Miranda, Rúben Vinagre, Pedro Gonçalves, Rúben Neves, Ivan Cavaleiro e Diogo Jota.

Custos da saída da Champions

A eliminação precoce do Benfica da Champions, sem qualquer ponto somado, além do aspeto desportivo, é também um grande rombo nas finanças da SAD do clube da Luz.

O único encaixe do Benfica em prémios da UEFA (estão ainda por apurar as receitas do market pool, relativas aos direitos televisivos) esta temporada diz respeito ao prémio de presença na fase de grupos - 12,7 milhões. Se compararmos com a campanha dos encarnados realizada na época passada, a diferença é de... 10,4 milhões de euros.

Em 2016/17, num grupo até teoricamente mais complicado (Nápoles, Besiktas e Dínamo de Kiev), o Benfica atingiu os oitavos de final, fase onde foi eliminado pelo Dortmund (vitória em casa por 1-0 e derrota por 4-0). Uma campanha, contudo, que deixou nos cofres encarnados 23,1 milhões de euros só em prémios da UEFA - 12,7 pela presença na fase de grupos, seis milhões pela passagem aos oitavos de final e ainda 4,454 milhões, de acordo com o relatório financeiro da UEFA. Ou seja, contas feitas, e sem as receitas de market pool, há uma diferença de 10,4 milhões de euros da época transacta para a atual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)