Árbitro do Real Madrid-Juventus com proteção policial após ameaças

Michael Oliver, que assinalou um penálti a favor do Real Madrid em tempo de descontos que resultou no afastamento da Juventus, está sob proteção policial, depois de receber várias ameaças.

Desde que marcou a polémica grande penalidade, que, aos 90+8 minutos, permitiu a Cristiano Ronaldo converter o penálti que colocou os 'merengues' nas meias-finais da Liga 'milionária', que Michael Oliver e a sua mulher, igualmente árbitro de futebol, têm sido alvo de ameaças, agravadas depois de terem sido descobertas fotos de 2016 no estádio Santiago Bernabéu, palco do desafio.

No fim do jogo, o guarda-redes Gianluigi Buffon, que acabou expulso por protestos, disse que Michael Oliver tinha "um saco de lixo em vez de coração".

As autoridades policiais de Northumbria, na Inglaterra, estão "cientes das mensagens ameaçadoras postadas em redes sociais" e agora acompanham o árbitro, que viu o número de telemóvel da sua mulher ser divulgado na internet.

"Esse tipo de comportamento é totalmente inaceitável e aqueles que escrevem essas mensagens devem saber que isso pode ser um crime", avisa a polícia inglesa.

A Associação de Árbitros Profissionais Ingleses (PGMOL) condenou as mensagens, enquanto o Twitter confirmou que retirou da sua plataforma vários 'tweets' este fim de semana.

Também a UEFA manifestou esta segunda-feira o seu apoio ao juiz britânico, "condenando firmemente" as ameaças a Oliver e à mulher.

No sábado, Michael Oliver foi delegado ao jogo do campeonato inglês entre o Huddersfield e o Watford.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras