Agronomia bate Direito e vence fase regular da Divisão de Honra

Terceira vitória da época dos agrónomos diante dos advogados (agora por 28-16) colocou equipa de Frederico Sousa no topo da fase regular da Divisão de Honra. CDUL-Técnico e Belenenses-Cascais nos 'play-off' do próximo sábado.

A chegada de Frederico Sousa, antigo selecionador nacional e ex-técnico de Direito, à Tapada está a devolver a Agronomia, um período de vacas gordas que não se vivia há muitas épocas por aqueles lados. E depois do triunfo na Supertaça no início da temporada e do apuramento para a final da Taça de Portugal, com a justa vitória desta tarde frente aos advogados na derradeira jornada da fase regular, os agrónomos garantiram o 1.º lugar, algo que não lhes acontecia desde 2010!

Mas antes que comecem já a embandeirar em arco para os lados da Tapada da Ajuda, refira-se que nas 11 edições do campeonato disputadas neste modelo, apenas por duas vezes - 2007 (Agronomia) e 2012 (CDUL) - os vencedores da fase regular se sagraram campeões...

Sob intenso calor (mandar realizar os jogos pela fresquinha das 14.00 é uma ideia genial...), Agronomia e Direito tiveram um início prometedor, com os jogadores empenhados em impor um ritmo rápido e intenso, apostando em placagens duras que deixavam marcas. Mas curiosamente nenhum dos quinzes conseguia pisar a área de 22 contrária, pelo que o jogo se desenrolava em curtos 60 metros.

Na primeira vez que os advogados circularam a oval rapidamente, o ponta Vaz Antunes foi placado exemplarmente por Vasco Ribeiro - nova grande exibição do centro internacional, um dos heroicos sub-20 campeões europeus e 'o melhor em campo' esta tarde - e da falta decorrente Pedro Leal abriu o ativo (0-3).

Pouco depois José Rodrigues igualava (3-3) mas aos 25' Nuno Sousa Guedes, em nova penalidade, colocava os visitantes de novo na frente (3-6).

Dominante nas mêlées, Agronomia pressionava muito os adversários obrigando Direito a perder inúmeras bolas no contacto. E numa dessas perdidas, aos 34' um contra-ataque vertiginoso iniciado pelo centro fijiano Meli e prosseguido pelo rápido Guilherme Covas, daria o ensaio inaugural do encontro, quando o ponta da casa, bem placado, encontrou o apoio sublime do formação Gonçalo Prazeres, que concluiu entre postes (10-6). Em cima do intervalo nova falta infantil advogada permitiu ao excelente médio de abertura José Rodrigues - que ao contrário do 10 adversário Luís Salema, sabe ler e conduzir o jogo da sua equipa da melhor forma, sendo o elemento determinante que distinguiu os dois quinzes - levar as equipas para o descanso com 23-6 favorável ao quinze da Tapada.

No 2.º tempo os agrónomos recomeçaram melhor mas, paulatinamente, Direito foi empurrando o jogo para o meio-campo contrário e aos 55' faria mesmo o seu único ensaio. Brilhante entrada de Vasco Fragoso Mendes a criar um ponto de fixação perto da linha de ensaio, circulação rápida da bola até ao ponta Vaz Antunes se esgueirar para o ensaio que, convertido, igualava as contas (13-13).

As muitas substituições de ambos os conjuntos melhoravam significativamente a equipa de Monsanto, que agora taticamente superior, começava a causar problemas ao adversário. E quando aos 63' Nuno Sousa Guedes convertia nova penalidade, passando os visitantes para a frente do marcador (13-16), pensou-se na Tapada que depois da derrota em casa no jogo da 1.ª volta (9-17), desta feita Direito - que já perdera a Supertaça para o seu antigo treinador - iria bater finalmente nesta temporada o seu rival.

Puro engano. Porque aos 73' Vasco Ribeiro (quem mais?) intercetou um passe à saída dos seus 22 e após fantástico sprint de 80 metros (fugindo à cavalaria adversária que o perseguiu em excesso, mas insuficiente, velocidade...) virava o resultado para 18-16.

A partir daí Agronomia voltou a tomar as rédeas do jogo acreditando que já não o perderia. Após amarelo a Vasco Uva, José Rodrigues alargou numa penalidade para 21-16. E aos 78' uma cavalgada insolente do ponta António Cortes (outro 'pepe rápido' dos três-quartos agrónomos...) colado á linha lateral, daria o terceiro ensaio do quinze da casa para os finais 28-16, num triunfo justo da melhor equipa em campo e aquela que soube aproveitar superiormente os erros contrários. Quanto a este Direito, que diferença para a equipa que se sagrou bicampeã nacional e passeava a sua classe pelos relvados nacionais...

No estádio Universitário o CDUL, única equipa apurada para os jogos finais que já conhecia a sua classificação antes desta jornada, recebeu e bateu o Técnico, por 17-10 (12-0 ao intervalo), num jogo marcado pelas lesões - aparentemente graves - no joelho de Tomás Appleton (CDUL) e Miguel Oliveira (Técnico).

O quinze da casa começou melhor e aos 20' já vencia por 12-0, fruto de dois ensaios do ponta Hamish Graham, resultado que se verificava ao intervalo. No 2.º tempo o defesa Jorge Abecassis alargou a vantagem para 17-3, tendo os engenheiros marcado o seu ensaio de honra, através do neozelandês Hohepa, já no derradeiro lance de jogo. Curiosamente as duas equipas (3.ª e 6.ª classificadas) vão voltar a defrontar-se no próximo fim-de-semana no mesmo palco para os 'play-off'.
No Restelo o Belenenses confirmou a sua subida de forma nas últimas semanas - em especial nas linhas atrasadas onde Tiago Fernandes, João Freudenthal & companhia estão com um andamento difícil de travar para os adversários... - e derrotou o CDUP por 39-17, alcançando seis ensaios (bis de centro Duarte Moreira) e o ponto de bónus atacante. Com este triunfo bonificado os azuis ultrapassaram o Cascais (que folgou nesta derradeira ronda ) e situaram-se no 4.º lugar final, classificação que nunca tinham atingido desde o início da prova! E sábado vão receber em casa precisamente o Dramático de Cascais no 'play-off'.

Entretanto a Académica concluiu a sua época na Lousã onde foi vencer por 25-9 (3 ensaios), obrigando a equipa da casa a finalizar esta temporada com redondos zero pontos: 18 derrotas noutros tantos jogos e nenhum ponto de bónus!

Classificação final da fase regular: 1.Agronomia, 71 pontos; 2.Direito, 68; 3.CDUL, 58; 4.Belenenses, 52; 5.Cascais, 51: 6.Técnico, 48; 7.Académica, 39; 8.CDUP, 29; 9.RC Montemor, 9; 10.Lousã, 0.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG