Adeptos do Basileia detidos após confrontos no Cais do Sodré

Madrugada manchada por incidentes com adeptos do clube suíço que esta terça-feira vai defrontar o Benfica. Dois detidos pela PSP

Dois adeptos do clube suíço Basileia foram detidos e 10 identificados hoje de madrugada após terem provocado vários distúrbios na zona do Cais do Sodré, em Lisboa, disse à agência Lusa fonte do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP.

A mesma fonte adiantou que os dois adeptos foram detidos por agressões a agentes da PSP.

Segundo a PSP, os desacatos correram por volta da 01:40 na zona do Cais do Sodré, tendo os adeptos do Basileia, que hoje vai defrontar o Benfica, vandalizado também algumas viaturas.

Outra fonte da Polícia de Segurança Pública disse também à Lusa que se tratou de uma desordem pública com arremesso de cadeiras e garrafas, tendo algumas das agressões começado dentro dos bares.

Um vídeo publicado na Internet mostra o momento da confusão no Cais do Sodré envolvendo adeptos do clube suíço que, recorde-se, defronta esta noite o Benfica, no Estádio da Luz, em jogo a contar para a última jornada do Grupo A da Liga dos Campeões.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.