Zurbarán é convidado de honra do Museu de Arte Antiga

O quadro do pintor pode ser visto no MNAA a partir desta quinta-feira e até 12 de janeiro.

Frei Pedro Machado, teólogo do convento Mercedário de Burgos, é um dos protagonistas da Mostra Espanha 2019. O retrato que dele pintou o artista Francisco de Zurbarán é a obra convidada do Museu Nacional de Arte Antiga a partir desta quinta-feira e até 12 de janeiro de 2020.

O quadro "é proveniente da livraria do Convento de La Merced de Sevilha e integrava um conjunto de onze pinturas representando religiosos da Ordem", segundo informação divulgada pelo museu das Janelas Verdes. Terão sido pintadas cerca de 1630.

Cinco quadros desta série foram confiscados por Manuel Godoy [primeiro-ministro espanhol] durante o período das invasões napoleónicas, em 1802. Passaram, em 1816, a fazer parte da coleção da Real Academia de Bellas Artes de San Fernando em 1816. Um deles é justamente este retrato de Frei Pedro Machado.

Francisco de Zurbarán (1598-1664) ganhou fama com as suas pinturas de homens importantes da hierarquia da Igreja - retratos como aquele que pintou de Frei Pedro Machado, um pouco maiores do que o natural e com fundos neutros. Chamavam-lhe o Caravaggio espanhol.

A sua história cruza-se com um momento de importante ligação de Espanha com Portugal. Foi nomeado por Filipe IV de Espanha, III de Portugal. Em 1640, ano da restauração da independência de Portugal e de inúmeras revoltas nas províncias espanholas, deixa de ser pintor real e a sua popularidade decai. Em 1644, quando se casa pela terceira vez com uma viúva abastada, muda-se para Madrid e retoma o contacto com Velásquez.

Este quadro pode ser visto a partir desta quinta-feira, às 18:00, no Museu de Arte Antiga e faz parte do programa de atividades culturais que têm lugar em vários pontos de Portugal visando mostrar o que vêm desenvolvendo as indústrias culturais de Espanha.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.