Vinte anos de solidão no deserto de La Guajira

"Pássaros de Verão", o novo filme do colombiano Ciro Guerra, é um olhar sobre as tradições de uma família indígena Wayúu corrompida pelo narcotráfico nas décadas de 1970/80. Um épico, em estreia nas salas portuguesas, sobre os efeitos da modernidade numa cultura ancestral e supersticiosa.

Foi através d'O Abraço da Serpente, filme sobre a demanda por uma planta sagrada na Amazónia - nomeado para o Óscar de melhor filme estrangeiro em 2016 -, que ficámos a conhecer o cinema do realizador colombiano Ciro Guerra (n. 1981). Nesse retrato, a preto e branco, de uma viagem alternada entre duas épocas e dois cientistas (figuras verídicas), um olhar de eminente expressão documental era atravessado por uma atmosfera onírica que provocava no espectador a sensação estranha, e pouco comum nos dias que correm, de imersão num mágico imaginário cultural e paisagístico.

Perante esta referência, não serão necessárias muitas pistas para perceber que reencontramos o mesmo tipo de entrosamento em Pássaros de Verão - título de autoria partilhada com a produtora dos trabalhos anteriores do realizador, Cristina Gallego -, em que se volta a representar uma história de base real pela via de uma linguagem híbrida, entre o gesto do documentário e uma vibração surreal do drama. Na sua génese está o boom do tráfico de marijuana, a chamada "Bonanza Marimbera" que, entre as décadas de 1970/80, arrasou as tradições e a honra de uma família indígena Wayúu (povo da região do deserto de La Guajira, no norte da Colômbia), mudando a face de um sistema de valores ancestrais. E é precisamente pela porta de entrada das práticas culturais deste clã que o filme "levanta voo" - numa das suas mais admiráveis cenas - mostrando o ritual de passagem de uma jovem, Zaida, que, depois de um período de isolamento, dança para a comunidade como sinal de que já está preparada para casar. Logo surge o homem, Rapayet, que se sente desafiado nessa dança e que acabará por trazer o veneno da modernidade para dentro da família.

Por modernidade entende-se aqui a influência da juventude norte-americana dos anos 1970, cujo apetite por narcóticos significou para indivíduos como Rapayet a oportunidade de fazer fortuna rápida, no seu caso, estabelecendo negócio com um primo, dono de uma plantação de marijuana. Isto sem saber que estava a seguir a estrada da ganância e da violência, com sentido único para a tragédia - ainda que debaixo do olho da matriarca Úrsula, a respeitada líder da família, orientadora dos destinos dos seus, através da supersticiosa interpretação de sonhos e prenúncios.

Este é então um épico moldado pelo semblante clássico da ascensão e queda, mas que no interior da sua estrutura narrativa de cinco "cantos" combina a dureza do filme de gangsters com a intensidade estética do realismo mágico. Não será por acaso que no desejo documental do olhar de Guerra e Gallego, sempre atento aos aspetos ritualísticos de uma cultura tribal, se insinua um arranjo de imagens profundamente ligadas à verve da literatura de Gabriel García Márquez (ele que evocou o folclore dos Wayúu, por exemplo, na obra Cem Anos de Solidão). E essa dimensão do poder das imagens é o que oferece a Pássaros de Verão uma especificidade garrida, para além de perfeitamente harmonizada com a banda sonora de batimento robusto assinada por Leonardo Heiblum.

Podia dar-se o caso de os referidos aspetos estilísticos do filme pesarem sobre o núcleo duro da sua matéria dramática, mas diga-se que a sensibilidade e interesse antropológico de Ciro Guerra e Cristina Gallego mantêm Pássaros de Verão sempre a meio caminho entre a carne das misérias humanas e um qualquer plano espiritual.

Classificação: *** Bom

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?