Toquinho volta a Portugal para celebrar os 50 anos de carreira

Música brasileiro atua em Lisboa e no Porto.

O músico conta que em pequeno a mãe costuma chamá-lo, carinhosamente, de "meu toquinho de gente". Vem daí o apelido que se transformou em nome artístico e que hoje é o nome com que se identifica.

Depois de no ano passado ter estado em Portugal para uma série de concertos com salas cheias em várias localidades, Toquinho, músico brasileiro, de 72 anos, está de volta, agora para atuar apenas em Lisboa (Teatro Tivoli, dias segunda e terça) e Porto (Coliseu, quarta). Desta vez não terá piano, em vez disso vem acompanhado da cantora Camila Faustino e do clarinetista e saxofonista Nailor Proveta.

A digressão assinala os 50 anos de carreira de Toquinho, nascido Antonio Pecci Filho, nos quais registou mais de 400 canções inéditas, editou 86 discos e pisou os palcos de todo o mundo perto de dez mil vezes. O artista soma ainda um sem-número de colaborações com alguns dos maiores nomes da música brasileira, recorda a promotora UAU no comunicado de imprensa, como é o caso de Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Elis Regina, Gal Costa, Caetano Veloso ou Maria Bethânia.

Cantor, compositor e guitarrista, o músico paulista que, em 2009 partilhou o palco com o tenor italiano Andrea Bocelli e, em 2010, assinou a versão brasileira do musical Cats, é um dos nomes mais conhecidos da Bossa Nova.

Numa entrevista ao DN, em maio de 2018, Toquinho contava como começou a aprender violão, muito novo, por influência do pai, e como foi inspirado por João Gilberto: "Foi um impacto que toda a minha geração sofreu. Aquele samba colocado daquela maneira... Era tudo uma grande novidade, era a bossa nova. Ele é a bossa nova. Para mim o único que faz bossa nova é o João Gilberto, ele é a semente de toda a transformação da música brasileira. Chega de Saudade é um ponto de partida enorme para essa transformação." E, apesar da longa carreira, Toquinho recusava-se a pensar no fim: "A minha carreira está começando hoje. O passado nem sei se existiu, é uma coisa que está lá atrás. Estou preocupado com o aqui e agora."

O seu último disco de estúdio foi Quem Viver Verá, de 2011. Nessa entrevista falava do disco em que estava a trabalhar e que deverá ser editado em breve, com composições suas e letras de Paulo César Pinheiro.

Toquinho, 50 Anos de Carreira
Teatro Tivoli BBVA
7 e 8 de Outubro, às 21h30
Preços: entre 35 e 45 euros

Coliseu Porto Ageas
9 de Outubro, às 21h30
Preço: entre 22,5 e 40 euros

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.