Será esta a voz de Frida Kahlo?

A Fonoteca Nacional do México acredita que é da famosa pintora a voz que se ouve numa gravação que foi agora descoberta. Tudo aponta para que seja mesmo a voz de Frida Kahlo, mas o governo mexicano é cauteloso e diz que não há ainda 100% de certeza

O seu rosto tornou-se numa imagem icónica e das mais comercializadas no mundo da arte. As obras que assinou tornaram-se conhecidas em todo o mundo. Mas como seria a voz de Frida Kahlo? A Fonoteca Nacional do México pode ter encontrado a resposta com a descoberta de uma gravação de 1955.

Tudo aponta para que seja mesmo a voz da pintora mexicana, mas ainda não há uma certeza absoluta. O governo mexicano é cauteloso. "É uma constatação que tem muitos elementos que podem ser identificados como a provável voz de Frida Kahlo, mas sem 100% de certeza", afirmou a secretária de Estado da Cultura, Alexandra Frausto.

Mas se os investigadores comprovarem que se trata mesmo da voz da pintora esta é uma descoberta histórica, uma vez que pode ser a único registo áudio da artista mexicana.

São dois minutos retirados de um programa de rádio El Bachiller, de 1955, da XEW, onde é possível ouvir uma mulher de voz suave e melodiosa a recitar fragmentos de Retrato de Diego, um texto que Frida escreveu em 1949 para descrever o pintor Diego Rivera, marido de Kahloo. "Ele é um menino grande, imenso, com um rosto amigável e um olhar triste", diz a artista ao microfone.

"Voz quente e melodiosa"

Uma voz que corresponde à descrição da francesa Gisèle Freund, que fotografou Kahlo em 1950. "Frida fuma, ri, fala como uma voz quente e melodiosa".

A descoberta foi feita em janeiro deste ano pelo diretor da Fonoteca Nacional, Pável Granados, durante uma viagem ao estado de Tlaxcala, no centro do México. Encontrou-se com um locutor da rádio XEM que lhe garantiu ter uma gravação de Diego Rivera a cantar, detalha o El País . Foi quando estava a ouvir esse registo que foi surpreendido com o momento em que a pintora recita um texto sobre o marido. "Um dos indícios que temos é o facto de o próprio Bachiller dizer na gravação que se trata de Frida Kahlo", refere Granados, citado pelo jornal espanhol.

O responsável pela Fonoteca Nacional do México admitiu, em conferência de imprensa, que "a voz de Frida sempre foi um enigma, uma busca sem fim". "Até agora, nunca houve uma gravação de Frida Kahlo", afirmou, embora existam filmes mudos com a pintora mexicana.

A gravação continua a ser analisada por especialistas para determinar com toda a certeza de que se trata da voz de uma das personalidades da cultura mais emblemáticas do México e do mundo. Uma das certezas é a de que a voz foi registada com recurso a equipamento de gravação externa, ou seja, não foi gravada em estúdio.

O registo provável da voz de Frida faz parte do arquivo áudio do falecido locutor Álvaro Gálvez Y Fuentes, conhecido como El Bachiller. São 1300 registos de áudio em cassetes que vão ser digitalizadas e catalogadas. Um processo no qual os investigadores esperam encontrar outras gravações da voz da pintora mexicana.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.