Portuguesa entre os distinguidos dos prémios da Cinema Audio Society

O trabalho de Joana Niza Braga no documentário da National Geographic "Free Solo" foi distinguido nos norte-americanos Cinema Audio Society

A portuguesa Joana Niza Braga está entre os distinguidos dos norte-americanos Cinema Audio Society (CAS) Awards, que premeia filmes tendo em conta apenas o som, com o trabalho como 'foley mixer' no documentário "Free Solo", foi anunciado este domingo.

"Free Solo" venceu o prémio na categoria de documentário, distinguindo, além de Joana Niza Braga, Jim Hurst ('production mixer'), Tom Fleischman ('re-recording mixer'), Ric Schnupp ('re-recording mixer'), Tyson Lozensky ('scoring mixer') e David Boulton ('ADR mixer'), foi anunciado na 55.ª cerimónia dos CAS Awards, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

O documentário da National Geographic, no qual os realizadores Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi acompanham o alpinista norte-americano Alex Honnold na escalada, sem cordas ou proteções, da parede de granito El Capitan, com 900 metros de altura, situada no Parque de Yosemite, nos Estados Unidos, conta ainda na ficha técnica com outro português: Nuno Bento.

Joana Niza Braga e Nuno Bento, ambos de 27 anos, são, respetivamente, 'foley mixer' e 'foley artist' do documentário.

O que é um "foley mixer"?

O trabalho dos dois portugueses foi "todo feito remotamente", a partir de Lisboa, na pós-produtora de cinema Loudness Films, onde há "um estúdio de 'foley' bastante grande", contou aquela profissional, em declarações à Lusa, na semana passada.

O 'foley' permite criar sons que por vezes não são captados nas rodagens. Com o 'foley', é possível "criar a ilusão de que existe essa proximidade com as personagens que estão no ecrã".

"Por exemplo, temos o Alex a escalar e nós conseguimos ouvir a parede e todo o material dele, quando na verdade é tudo falso. É tudo criado por nós: pelo 'foley artist' e pelo 'foley mixer', que juntos trabalhamos para conseguir tornar esse som verdadeiro para aquilo que estamos a ver", desvendou.

O processo é feito com o 'foley mixer' na régie e o 'foley artist' num estúdio ao lado, com os dois separados por um vidro.

Os 'foley artists', "quem está reproduzir o barulho", costumam dizer, segundo Joana, "que os 'foley mixers' são os ouvidos, porque o som captado pelo microfone é diferente, um bocadito, da perceção auditiva normal".

"Free Solo" está ainda nomeado para os Óscares, na categoria de Melhor Documentário, e para os Golden Real, os prémios da Motion Picture Sound Editors (MPSE).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.