Os diamantes são eternos e Marilyn também

Os Homens Preferem as Loiras, de Howard Hawks, é exibido este domingo, pelas 16.00, no CCB. Ocasião para redescobrir Marilyn Monroe num dos seus momentos mais fulgurantes no grande ecrã, ao lado de Jane Russell.

Uma é loira, a outra é morena. A loira, Lorelei Lee, deseja avidamente casar com um homem rico que a possa cobrir de joias e, correspondendo ao protótipo, parece (apenas parece...) não dever muito à inteligência. A morena, Dorothy Shaw, anda à procura do verdadeiro amor e está sempre ali, fiel, para guardar as costas da amiga Lorelei. Complementam-se. Juntas formam a voluptuosa parelha de coristas de Os Homens Preferem as Loiras (1953), e derramam sobre a própria vida o entretimento partilhado em palco.

Reformulando: a primeira é Marilyn Monroe, a segunda Jane Russell e para frustração da imprensa popular da época - sequiosa das rivalidades entre estrelas femininas de Hollywood - mantiveram uma nobre amizade à frente e atrás das câmaras, nesta exclusiva colaboração das suas carreiras. Tornaram-se, de facto, aquilo que as duplas masculinas são nos filmes de Howard Hawks. Entenda-se, virtuosos retratos de lealdade ou, se quisermos, platónicas histórias de amor. Porque aqui são elas que mandam no jogo, a começar pela "frágil" Marilyn.

Quando o cineasta americano convenceu a Twentieh Century Fox de que a atriz ideal para a personagem de Lorelei era a mesma que entrara na sua anterior comédia A Culpa Foi do Macaco (1952), usou como argumento o charme infantil de Marilyn, o seu ar de alguém saído de um conto de fadas, a sua genuína "natureza de atriz" que, segundo dizia, pouco tinha que ver com a realidade (ou melhor, com filmes realistas). Por essa razão, a comédia musical - género em que se privilegia o tom da fábula - assentou-lhe que nem uma luva e permitiu-lhe subir o degrau que faltava para o estrelato. De resto, Hawks teve visão para esta mulher que, nas suas palavras, "nunca foi verdadeiramente real", como antes tinha tido para Carol Lombard, Rita Hayworth, Lauren Bacall e a própria Jane Russell.

No caso de Os Homens Preferem as Loiras, Russell surgiu, por contraste, como a mulher bastante real que deveria proteger Marilyn/Lorelei nas suas arrojadas fantasias. Nomeadamente aquelas que vão aqui despertar num navio-cruzeiro com destino a Paris, onde a tentação do que reluz e, por outro lado, do que mexe com o coração coloca as personagens em movimentos complexos de ironia, desejo, mal-entendidos... E como comédia musical que é, faz-se sobretudo de movimentos físicos. Em Hawks, a subtileza usa caminhos extraordinários.

"Sei ser inteligente quando isso é importante"

Diz quem tem vistas curtas que este filme, para além de ter potenciado a imagem sex symbol, aplicou o selo de loira burra a Marilyn Monroe. Nesta falsa perceção está um exemplo de como o cinema de Howard Hawks é do mais sofisticado que há na linguagem dos géneros - quem se fica pela superfície não alcança para lá da cor e brilho dos vestidos. Na verdade, tudo em Os Homens Preferem as Loiras é uma fina e vívida demonstração de como as protagonistas são ambas, e cada uma à sua maneira, maestrinas das situações à sua volta; ao passo que os homens acabam sucumbidos pela sua própria infantilidade perante a hábil sedução feminina.

Não por acaso, cada um deles encaixa em caricaturas próprias do imaginário americano: temos o velho milionário à procura da aventura revigorante; o noivo ingénuo; o detetive, que começa por controlar o esquema, mas acaba apanhado na encenação das mulheres; e o aristocrata de cinco anos, "homem" pequenino que ainda assim é o mais entendido no artifício delas... Há particularmente um número musical (Anyone Here For Love?) que se presta à ilustração do que o sexo feminino representa aqui por oposição ao masculino. Esse em que Russell se passeia entre os corpos musculados dos membros de uma equipa desportiva em treinos, na piscina, sendo o fato de banho deles, para além de reduzido, da cor da pele, e por isso mais sugestivo de uma certa exposição vulnerável do que as calças pretas da protagonista.

Como este, existem outros exemplos da deliciosa perversidade de Hawks, aqui e ali elaborando sugestões eróticas de vária ordem ou tiradas subversivas. Por sinal, uma das mais emblemáticas que se ouve em Os Homens Preferem as Loiras pertence a Marilyn: "Sei ser inteligente quando isso é importante, mas a maioria dos homens não gosta". Eis o que o espectador atento percebeu desde o princípio. Ou seja, que ela escolhe não dar sinais de inteligência para não afastar os homens e conseguir deles o que realmente lhe interessa. Que não é sexo nem amor.

Como diz a canção que aqui a celebrizou, Diamonds Are a Girl"s Best Friend. E essa música aliada ao lustroso vestido cor-de-rosa é ainda hoje uma das imagens mais icónicas de um eterno mistério hollywoodiano chamado Marilyn Monroe... A redescobrir domingo no Grande Auditório do CCB.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?