Nuno Artur Silva: Audiovisual deve ser prioridade nacional

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media afirma que "queremos trabalhar num meio em que haja produção regular de formatos diversos", onde sejam dadas "condições aos argumentistas para escreverem as histórias" e onde se aposte mais na coprodução, equilibrando "um sistema mais de arte e ensaio com um sistema de cultura pop".

A indústria do cinema e do audiovisual deve ser considerada "uma prioridade nacional" pelo Governo, num "futuro próximo", afirmou esta quinta-feira o secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, no encontro ONSeries Lisboa.

Falando neste primeiro encontro internacional dedicado à produção de ficção televisiva, Nuno Artur Silva disse que Portugal vive um "princípio de possibilidade" de uma "época de ouro" no audiovisual e no cinema, mas para tal o setor precisa de ser encarado como uma prioridade não só na tutela da Cultura, mas a nível nacional.

Na justificação dessa ideia de desígnio nacional, Nuno Artur Silva deu como exemplo a aposta que Espanha tem estado a fazer no audiovisual, com o próprio primeiro-ministro, Pedro Sánchez, a anunciar em março a criação do plano "Espanha - 'Hub' Audiovisual da Europa", com mais de 1.600 milhões de euros a investir no setor até 2025.

"Não é comparar realidades, os espanhóis há muitos anos têm uma indústria que não temos, mas o sinal que foi dado, de ser uma iniciativa que parte de um Governo como um todo, é um exemplo de que devemos seguir num futuro próximo", disse Nuno Artur Silva.

Para reforçar a ideia dos ganhos económicos do audiovisual no mercado nacional, o secretário de Estado disse ainda que "por cada euro investido em Portugal por uma produtora estrangeira há um retorno quatro vezes superior para a economia portuguesa".

Nuno Artur Silva assumiu funções em 2019, quando foi criada a secretaria de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, sob a alçada do Ministério da Cultura, liderado por Graça Fonseca.

O governante considera que a existência da secretaria de Estado é "uma forma de sinalizar" que é possível trabalhar em conjunto "dossiês que até aqui estavam separados e que poderiam contribuir para uma indústria do audiovisual em Portugal".

Com eleições legislativas anunciadas para janeiro, Nuno Artur Silva falou esta quinta-feira em jeito de balanço de atividade da área que tutela, recordando que há ainda matérias em fase de conclusão e que deverão ser desenvolvidas "pelo próximo Governo". "Não nos passa pela cabeça que isso não aconteça", sublinhou.

Entre esses instrumentos de desenvolvimento do setor estão o próximo plano estratégico para o cinema e audiovisual, que "está quase terminado", o contrato de concessão da RTP, em fase de conclusão, e o prolongamento do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, considerado uma alavanca importante de atração de investimentos para o setor.

"Queremos trabalhar num meio em que haja produção regular de formatos diversos", onde sejam dadas "condições aos argumentistas para escreverem as histórias" e onde se aposte mais na coprodução, equilibrando "um sistema mais de arte e ensaio com um sistema de cultura pop", elencou o secretário de Estado.

"Só poderemos ganhar escala, orçamento e possibilidade de internacionalização se nos juntarmos a outros países. [...] Temos que encontrar a nossa Escandinávia, isto é, quais os países com os quais podemos estabelecer relações estáveis, fixas, duradouras para poder ganhar uma escala internacional", disse.

O ONSeries, que decorre até sexta-feira em Lisboa, é apresentado como o primeiro evento internacional profissional de televisão em Portugal, uma oportunidade para produtores, canais de televisão e outros operadores apresentarem os seus mais recentes projetos a profissionais internacionais.

Em Lisboa, entre os mais de 200 participantes do ONSeries está confirmada a presença de representantes de empresas como Amazon Prime Video (Brasil), Movistar + (Espanha), CBS Studios International (Países Baixos), Portocabo (Espanha), Netflix, HBO Europe & HBO Max(Espanha), TV Cultura (Brasil), France Televisions (França) e ZDF Enterprises (Alemanha).

O ONSeries é organizado pela empresa espanhola Inside Content, conta com o patrocínio institucional do Ministério da Cultura e com apoio da Câmara Municipal de Lisboa e de várias entidades ligadas ao cinema e audiovisual.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG