Premium Nunca houve revoluções violentas em Portugal, diz historiador André Costa

O autor de As Cinco Grandes Revoluções da História de Portugal pergunta no seu livro: será que existiu uma revolução em Portugal? A resposta é "Não". Quanto à mais recente, considera que a "Revolução de Abril foi travada demasiado cedo".

A capa de As Cinco Grandes Revoluções da História de Portugal tem várias figuras da História de Portugal, no entanto quando se observa o retrato de Salazar nota-se bem que é maltratado: tem o vidro partido e está tombado. Pergunta-se ao historiador André Canhoto Costa se há uma intenção e este responde que "sim, claro". Justifica: "É a figura mais controversa e simboliza um problema que julgo, em parte, mal resolvido. Salazar continua a ser em muitos casos, uma resposta fácil. Preocupa-me o tipo de tendências - e convicções - que gerou e pode gerar no futuro este tipo de solução política."

Para o autor de uma investigação histórica muito bem documentada e sedutora, tanto para leitores eruditos como desejosos de perceberem cinco dos momentos fundamentais da história do país, o que se passa sobre o legado de Salazar e o seu entendimento académico é fácil de explicar: "Quando vejo artigos publicados em revistas académicas, redigidos por professores respeitáveis, reabilitando de forma disparatada o esforço de alfabetização do Estado Novo - em comparação com a República (ignorando o peso do apoio da Igreja ou o peso cumulativo da alfabetização dos pais no número de palavras apreendidas por uma criança com 4 anos); quando vejo como se reclama objetividade para problemas que têm uma complexidade subjetiva evidente, invocando argumentos de autoridade - embrulhados em péssima matemática - ficamos na dúvida se é apenas desespero metodológico, desorientação intelectual ou ignorância histórica. Não quero ser alarmista mas é um sinal preocupante."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.