Museu Machado de Castro finalmente integrado como Património Mundial

A inclusão deste museu no Património Mundial da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia não tinha ainda acontecido na área que veio a ser classificada em 2013 por se encontrar em trabalhos de restauro na altura da candidatura.

Depois do anúncio da classificação do Palácio de Mafra e do Santuário do Bom Jesus, em Braga, como Património Mundial da Humanidade, a UNESCO formaliza agora a integração do Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, como Património Mundial da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia. A inclusão foi conhecida este domingo, segundo a diretora do Museu, Ana Alcoforado.

A inclusão do Museu Nacional Machado de Castro na área classificada como Património Mundial, em 2013, foi decidida na 43.ª Sessão do Comité do Património da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que está a decorrer em Baku, no Azerbaijão, até 10 de julho.

O Museu Nacional Machado de Castro não foi incluído na área que veio a ser classificada em 2013 por se encontrar em trabalhos de restauro e remodelação na ocasião em que foi apresentada a respetiva candidatura (quando a Alta universitária e Rua da Sofia foram classificadas Património da Humanidade, os trabalhos no museu já estavam concluídos).

Monumento nacional desde 1910, o espaço do museu foi centro administrativo, político e religioso na época romana, foi templo cristão, pelo menos desde o séc. XI e paço episcopal a partir da segunda metade do séc. XII, refere a Direção-Geral do Património, na sua página na internet.

O presidente da Associação RUAS - Recriar a Univer(s)cidade e vice-reitor da Universidade de Coimbra para o Património, Edificado e Infraestruturas considerou a inclusão do museu nesta lista como um "momento da maior importância". Alfredo Dias diz tratar-se de "um momento de grande relevância, grande significado e grande contentamento".

Também a diretora do Museu, Ana Alcoforado, diz que sente que este reconhecimento é um "imperativo da cidadania mundial". Enquanto "espaço fundacional da cidade, contentor de uma riquíssima materialidade que preserva uma memória histórico-artística comum", a dirigente "sente este processo de inclusão na área classificada - Universidade de Coimbra, Alta e Sofia - como um imperativo da cidadania mundial".

"Este é um momento de celebrar e de reafirmar a determinação de estar cada vez mais próximo da comunidade que, ao longo de séculos, construiu a nossa identidade, e de abraçar e arquitetar novos desafios ", destaca Ana Alcoforado.

A vereadora da Câmara de Coimbra e vice-presidente da RUAS, por outro lado, considerou este um "grande acontecimento" para a cidade. "Um grande acontecimento para a cidade de Coimbra, de que todos devemos orgulhar-nos já que, na verdade, torna ainda mais justa e merecida esta distinção mundial, responsabilizando-nos cada vez mais pela preservação da nossa herança histórica e cultural", reiterou Carina Gomes.

O Santuário do Bom Jesus, em Braga, e o conjunto composto pelo Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada de Mafra também receberam este domingo a classificação de Património Cultural Mundial.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG