Morreu Montserrat Caballé, a diva que não gostava de ser chamada diva

A soprano catalã tinha 85 anos. A sua popularidade já tinha galgado as fronteiras dos teatros, mas a colaboração com Freddie Mercury em Barcelona foi o passaporte para o estrelato mundial.

A soprano Montserrat Caballé morreu na madrugada de hoje, aos 85 anos, no Hospital de Sant Pau de Barcelona, informaram fontes hospitalares citadas pela Efe e pela AFP.

A cantora lírica, cuja saúde estava fragilizada há vários anos, encontrava-se internada desde o mês passado.

Nascida em Barcelona no dia 12 de abril de 1933, Maria de Montserrat Bibiana Concepción Caballé i Folch foi uma das maiores sopranos da história.

Formada no Conservatori Superior de Música del Liceu de Barcelona, estreou-se profissionalmente em 1956 em Basileia, ao interpretar Mimi em La Bohème, de Pucicini.

O seu primeiro grande êxito internacional, contudo, dá-se em 1965, no Carnegie Hall de Nova Iorque, ao fazer parte da ópera Lucrezia Borgia, de Donizetti.

A carreira de sucesso foi reconhecida com alguns prémios, caso da medalha de ouro da Generalitat da Catalunha (1982), o prémio nacional de música de Espanha (1988) ou o prémio Príncipe das Astúrias das Artes, em 1991, em conjunto com Victoria de los Ángeles, Teresa Berganza, Pilar Lorengar, José Carreras, Alfredo Kraus e Plácido Domingo.

Ao longo de décadas de carreira interpretou um vasto repertório e a sua versatilidade ficou clara quando se tornou a voz, com Freddy Mercury, dos Jogos Olímpicos de Barcelona. "Para o mundo da ópera foi uma verdadeira revolução", reconheceu mais tarde.

Apesar de ser uma celebridade, a cantora não gostava de ser tratada por diva. "Parece parvo", disse numa das suas últimas entrevistas, em 2012, como recorda o ABC .

Numa das suas passagens por Portugal, em 1972, a cantora falou à RTP. A Rui Romano - que a tratou por Caballé Montserrat - falou sobre a sua interpretação de Norma, de Bellini, e indicou o repertório de Richard Strauss (Salomé, O Cavaleiro da Rosa, Elektra) como o seu preferido.

Na entrevista, João de Freitas Branco, então diretor do Teatro Nacional de São Carlos, deixou bem claro o valor de Caballé: "Não há melhor do que ela, isso posso garantir", afirmou o musicólogo e filho do compositor Luís de Freitas Branco.

Condenada por fraude fiscal

Em 2015, a cantora foi condenada a seis meses de prisão com pena suspensa e a uma multa de mais de 250 mil euros por fraude fiscal. Montserrat Caballé não tinha declarado a totalidade dos rendimentos relativos a 2010 (meio milhão de euros, que entretanto já tinha entregue aos cofres do Estado espanhol).

Já então, com 82 anos, o estado de saúde da diva era frágil. Na primeira audiência não compareceu nem deu qualquer justificação. Mais tarde, o juiz foi ao seu domicílio interrogá-la. Por fim, o processo terminou com uma audiência por videoconferência, com Montserrat Caballé a declarar aceitar o acordo.

Montserrat Caballé deixa viúvo o antigo tenor Bernabé Martí, com quem teve dois filhos, Bernabé e Montserrat Martí, que é também cantora soprano.

O funeral da artista, uma figura internacional da ópera, vai acontecer na segunda-feira, às 12:00, no cemitério de Barcelona

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG