Morreu Phil Mendrix, guitarrista dos Chinchilas e lenda do rock português

Músico tinha 70 anos. É considerado um dos melhores guitarristas portugueses de sempre

A notícia foi dada por um amigo, Vasco Ludgero, na página de Facebook de Phil Mendrix. O guitarrista, nascido em novembro de 1947 e a quem foi dado o nome Filipe Mendes, é conhecido por ter sido guitarrista de várias bandas emblemáticas. Morreu esta segunda-feira, aos 70 anos, em Lisboa, vítima de doença prolongada, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Mendrix fez parte dos Chinchilas, Fluido, Psico, Heavy Band e Roxigénio. O músico integrou também os Ena Pá 2000 e os Irmãos Catita e criou ainda a Phil Mendrix Band. É considerado um dos melhores guitarristas portugueses de sempre.

"O Phil partiu mas deixou-nos muitas lições de amor, amizade, profissionalismo e humanidade", escreveu Vasco Ludgero.

Em 2017, Filipe Mendes foi homenageado pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) com a Medalha de Honra pelos seus 70 anos de idade e 50 de carreira - começou em 1965, nos Chinchilas.

Manuel João Vieira, líder dos Ena Pá 2000, e companheiro de palco do músico durante mais de duas décadas, chamou-lhe "Sir" Phil Mendrix.

Na mesma altura, foi exibido um documentário biográfico da autoria de Paulo Abreu. O documentário dá conta do percurso do músico e foi construído a partir de materiais filmados entre 1994 e 2013.

"Eu tento multiplicar os sons, invertê-los, distorcê-los", explicava, então, Filipe Mendes, quando confrontado com a singularidade da sua performance em palco.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.