Morreu o cantor Roberto Leal. Tinha 67 anos

O português estava internado no Brasil, sofria de um cancro que o afetava há dois anos. Funeral realiza-se segunda-feira, em São Paulo.

O cantor Roberto Leal morreu este domingo no Brasil. O artista de 67 anos estava internado desde o dia 11. Sofria de um cancro mas as causas da morte ainda não são conhecidas. A notícia foi avançada nas redes sociais por José Cesário, ex-secretário de Estado das Comunidades.

"Queria dizer que se trata de uma perda profunda para a comunidade portuguesa, para a que vive no Brasil e mais especificamente em São Paulo", disse à Lusa José Luís Carneiro, atual secretário de Estado das Comunidades, adiantando que Roberto Leal era um símbolo da simbiose entre a música tradicional e popular portuguesas e as várias manifestações culturais existentes no Brasil.

Marcelo Rebelo de Sousarecordou "com amizade" o cantor português e sublinhou "o seu papel junto das comunidades portuguesas".

"O Presidente da República recorda Roberto Leal com amizade, lembrando o seu papel junto das comunidades portuguesas, nomeadamente no Brasil, com ligação às suas raízes, durante várias décadas", lê-se numa nota da Presidência da República, enviada à Lusa, em que Marcelo também expressa as suas condolências à família.

José Cesário divulgou a notícia por ser uma pessoa próxima do cantor. "Foi dos homens que mais fez pela cultura tradicional portuguesa no Brasil, reconhecido por todos no Brasil e em Portugal como um elo de ligação entre os dois países", disse José Cesário em declarações à agência Lusa. O deputado do PSD por Fora da Europa José Cesário disse ainda que Roberto Leal "era um homem extraordinário e um bom amigo".

Na página oficial do cantor no Facebook já foi colocada uma mensagem a informar da sua morte.

Internado há cinco dias

O luso-brasileiro estava internado desde a madrugada do dia 11 na unidade semi-intensiva do hospital Samaritano em São Paulo. Segundo o site brasileiro AreaVip, Leal deu entrada no hospital após ter sofrido uma queda. A assessoria do cantor indicou apenas que Roberto teve uma reação alérgica a um medicamento o que veio a provocar uma insuficiência renal. Sofria de cancro, tinha perdido a visão de um olho e morreu este domingo. As causas da morte ainda não foram reveladas oficialmente.

O velório do cantor vai decorrer na segunda-feira, na Casa de Portugal, na região central de São Paulo, no Brasil, a partir das 07:00 (11:00 em Lisboa), segundo o Jornal Folha de S. Paulo.

Segundo o jornal brasileiro, o velório decorre até às 14:00 e o funeral está marcado para as 15 horas, no Cemitério Congonhas, na zona sul de São Paulo, cidade onde Roberto vivia no Brasil. Ainda segundo o Folha de S. Paulo, que cita o empresário do cantor, Roberto Leal estava internado desde o dia 9 de setembro e teve falência múltipla de órgãos.

Casado há 45 anos com Márcia Lúcia, Roberto Leal é pai de três filhos nascidos no Brasil, e tem dois netos.

Mais de 17 milhões de discos

Conhecido como Roberto Leal, António Joaquim Fernandes foi um popular cantor. Era natural do concelho de Macedo de Cavaleiros, de Vale da Porca, onde nasceu em 27 de novembro de 1951. Emigrou para o Brasil com a família, os pais e nove irmãos, quanto tinha onze anos, em 1962. No país sul-americano, trabalhou como sapateiro e vendedor de doces até que decidiu enveredar por uma carreira na música. Começou no fado e depois conquistou a fama como cantor romântico.

Tinha influência dos ritmos lusitanos e brasileiros na maioria das suas canções, compostas em parceria com a mulher Márcia Lúcia. "Arrebenta a Festa" foi o último disco editado em 2016 mas a sua discografia tem mais de 50 títulos. Vendeu mais de 17 milhões de discos e conquistou 30 discos de ouro e cinco de platina. Publicou uma autobiografia, "Minhas Montanhas", obra lançada no Brasil e em Portugal em 2011.

Foi na década de 1970 que atingiu o sucesso. Canções como "Arrebita" ou "Dá cá um beijo" chegara a milhões no Brasil e em Portugal, Leal passou a ser um dos maiores embaixadores da cultura portuguesa no Brasil. Ao longo de 50 anos de carreira, aquele que era chamado o "artista mais português do Brasil" ainda fez cinema, televisão e mesmo política. Nas últimas eleições brasileiras foi candidato ao cargo de deputado estadual por São Paulo. Com pouco mais de oito mil votos, não conseguiu ser eleito.

Em entrevista ao DN, em setembro do ano passado, Leal disse que tinha um sonho e por isso se lançou na política. "O sonho de poder fazer algo pelas pessoas que possa tornar a vida delas um pouco melhor. Há muito o que se fazer em todas as áreas, pois o Brasil tem muitas carências, a saúde será uma das minhas prioridades, destinando todas as verbas que vierem à minha mão aos hospitais necessitados. Após um ano de tratamento médico, senti na pele a vital importância de se ter hospitais bons e bem equipados", contou.

Foi candidato pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e para a a presidência do Brasil apoiava o candidato Geraldo Alckmin, do PSDB.

A doença e o abraço de Marcelo

No ano passado, Roberto Leal quebrou o silêncio e falou sobre a luta contra o cancro que o afetava. Contou que começou a sentir cansaço e dor nos ossos, o que o fez recorrer ao médico. Os exames vieram a confirmar que sofria de cancro da pele. Nos tempos seguintes isolou-se mas depois acabou por retomar a atividade social e até artística.

Quando revelou a doença até Marcelo Rebelo de Sousa enviou uma mensagem de apoio ao luso-brasileiro. "Queria neste momento saudar com um grande abraço de amizade, acompanhando um período um pouco mais difícil na vida. Sobretudo saudar o papel ao longo de tantos anos na projeção da língua portuguesa, na projeção daquilo que é a música portuguesa e na ligação às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, em particular à ligação às comunidades brasileiras", disse então o presidente da República.

Na sua terra de origem, Macedo Cavaleiros, Roberto Leal é recordado por nunca ter esquecido as raízes.

Muitas artistas tem reagido à morte do luso-brasileiro. O ator Ruy de Carvalho colocou no Instagram uma foto com as frases: "Um aplauso. Obrigado por tudo, Roberto!"

João Baião usou a mesma imagem. "Um aplauso!", resumiu, como homenagem.

Manuel Luís Goucha também reagiu. "Recebi-o inúmeras vezes nos programas que apresento, a última das quais em janeiro passado (teve a gentileza de vir propositadamente a Portugal para estar no 'Você na TV'). É isso: dele recordarei sempre a sua gentileza e a alegria. Obrigado Roberto!", escreveu o apresentador da TVI no Facebook.

A notícia da morte de Roberto Leal levou o PS a cancelar as atividades de campanha para as legislativas de outubro previstas para segunda-feira, em São Paulo, onde estaria presente Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros e candidato socialista ao círculo Fora da Europa.

Em comunicado, o PS justificou o cancelamento da campanha com os candidatos Santos Silva e Paulo Porto Fernandes com a morte de Roberto Leal, que vivia com a família em São Paulo, cidade para onde estava agendada a presença dos dois candidatos socialistas na segunda-feira.

Os socialistas apresentam, na nota, as "condolências à família e amigos de Roberto Leal e a toda a comunidade portuguesa no Brasil."

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.