Morreu Alicia Alonso, a lenda do ballet clássico. Fundadora do Ballet Nacional de Cuba deixa "vazio enorme"

Prima ballerina assoluta morreu aos 98 anos. "Alicia Alonso deixa um vazio enorme", lamenta o presidente de Cuba. Conservatório de Leiria prestou um minuto de silêncio em homenagem à figura maior do ballet cubano

A bailarina cubana Alicia Alonso, diretora e cofundadora do Ballet Nacional de Cuba, morreu na quinta-feira aos 98 anos, devido a uma doença cardiovascular, disse um representante da companhia.

Alicia Alonso, que continuava ativa à frente do prestigiado Ballet Nacional de Cuba (BNC), estava internada no Centro de Pesquisa Médica Cirúrgica (Cimeq) de Havana, onde morreu, adiantou a Agência de Notícias Cubana.

A notícia da morte da maior figura da dança cubana espalhou-se pelas redes sociais e há milhares de mensagens de despedida, lembrando que foram "o seu esforço e carisma" que tornaram a dança e a companhia, na principal marca da identidade cultural do país.

Nos últimos anos, muitas das estreias do Ballet Nacional de Cuba tornaram-se quase peregrinações, com pessoas a caminhar durante duas horas ou mais para conseguirem ver os espetáculos, como destaca a agência espanhola de notícias Efe.

"Ela colocou Cuba no altar do melhor da dança do mundo. Obrigado, Alicia, pelo seu trabalho imortal", escreveu o presidente cubano

Uma das mensagens de despedida já publicadas é do Presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, que destacou, no Twitter, o "enorme vazio" e "insuperável legado" deixado pela única bailarina latino-americana, que foi 'prima ballerina assoluta'.

"Alicia Alonso deixou-nos e deixa um vazio enorme, mas também um legado intransponível. Ela colocou Cuba no altar do melhor da dança do mundo. Obrigado, Alicia, pelo seu trabalho imortal", escreveu o presidente cubano.

Academia de Leiria presta homenagem à figura maior do ballet de Cuba

O Conservatório Internacional de Ballet e Dança Annarella Sanchez, sediado em Leiria, que representa a Escola Cubana de Ballet em Portugal, vestiu-se "de luto pela partida da Estrela, prima ballerina assoluta, Alicia Alonso". Os alunos desta academia prestaram ainda um minuto de silêncio como homenagem à figura maior do ballet de Cuba.

A origem do Ballet Nacional de Cuba

Nascida em Havana, em 21 de dezembro de 1920, de pais espanhóis, Alicia Ernestina da Caridade do Cobre Martínez del Hoyo começou a dançar aos nove anos de idade, desenvolveu parte da sua formação nos Estados Unidos e construiu uma longa e premiada carreira, na qual foi várias vezes protagonista, nos principais palcos do mundo.

O apelido Alonso era de seu marido, o bailarino cubano Fernando Alonso, com quem fundou uma companhia de dança em seu nome, em 1948, a que se seguiu a Academia de Dança Alicia Alonso que, no conjunto, depois da Revolução Cubana de 1959, se tornou no Ballet Nacional de Cuba.

Giselle, Coppélia e La Sylphide estão entre bailados em que se destacou, desde o tempo em que fez parte do American Ballet Theater, e do Ballet Russe de Montecarlo, antes de regressar a Cuba, na década de 1940.

Entre os muitos prémios que recebeu, contam-se a Ordem José Martí, a mais alta condecoração concedida por Cuba, a comenda da Ordem Isabel a Católica, concedida por Espanha, o prémio Anna Pávlova, da escola superior de Dança de Paris.

Foi também nomeada embaixadora da Boa Vontade da UNESCO, a organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, que lhe atribuiu a Medalha Picasso, destinada a personalidades ou instituições do mundo da arte e da cultura, que se destacam a nível mundial.

Em 2010, o American Ballet Theater celebrou os 90 anos de Alicia Alonso e a sua Carreira nos palcos de mais de 60 anos, com um espetáculo de gala e uma retrospetiva em filme, na Metropolitan Opera House.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras