Madonna conta como é ser "mãe solteira de seis filhos"

A cantora é a capa da Vogue de junho e faz revelações sobre como educa a prole: David Banda não tem telemóvel e Lola sofre por ser filha daquela que é considerada a rainha da pop.

Madonna é a capa da Vogue britânica de junho, na qual fala sobre a idade - a artista comemorou 60 anos em agosto de 2018 - e de como é difícil continuar a ser quem é com a idade que tem. Essa "batalha" é mesmo o título da entrevista que antecipa a publicação do próximo mês: "Estou a ser punida por ter feito 60 anos", diz a cantora, que fala ainda sobre como é ser "mãe solteira de seis filhos", como a própria cantora se define.

O artigo lembra como a carreira de Madonna já atravessou dois séculos, mas as revelações da artista sobre a forma como educa os seus filhos são surpreendentes. Como o facto de não ter dado telemóvel a David Banda, o filho de 13 anos e o motivo que levou a rainha da pop a mudar-se para Lisboa - para que o adolescente pudesse jogar futebol no Benfica. E, pelos vistos, também não vai ter tão cedo.

"Vou manter essa decisão o maior tempo possível, porque cometi um erro quando dei aos meus filhos mais velhos telemóveis, tinham eles 13 anos", confessa Madonna, acrescentando que essa atitude acabou por prejudicar o seu relacionamento com os filhos.

"(...) Não completamente, mas [a internet] tornou-se uma parte muito grande das suas vidas. Ficaram muito cheios de imagens e começaram a comparar-se com outras pessoas, e isso é mau para o autocrescimento", disse a cantora.

David Banda, o mais parecido com Madonna

É precisamente em David Banda que Madonna consegue encontrar mais semelhanças com a sua forma de trabalhar. "O que ele tem mais do que tudo é foco e determinação", diz, orgulhosa. "É o filho que mais tem coisas em comum comigo. Sinto que ele me entende; tem mais do meu ADN do que qualquer um dos meus filhos até agora. Vamos ver o que acontece - ainda é cedo", acrescentou a cantora.

A intérprete de Like a Virgin também falou sobre a filha Lola. "É incrivelmente talentosa. Fico verde de inveja porque ela é incrível em tudo que faz - é uma dançarina incrível, uma ótima atriz, toca piano maravilhosamente, é muito melhor do que eu no que diz respeito a talentos. Mas não tem o mesmo impulso e, novamente, sinto que as redes sociais a atormentam e a fazem sentir como: 'As pessoas vão dar-me coisas porque sou filha dela [de Madonna]'."

A artista conta que tenta dar à filha exemplos de filhos de celebridades, como Zoë Kravitz, e explicar-lhe que Lola poderá ser admirada pelo seu próprio trabalho. Mas também reconhece que há diferenças entre si e a filha. "Ela tem mãe e eu não tive. Ela cresceu com dinheiro e eu não. Então tudo será diferente", remata a artista.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.