Madonna anuncia dois concertos extra em Lisboa

Os bilhetes para os concertos de Madonna no Coliseu de Lisboa, que custavam entre 75 e 400 euros, foram postos à venda na manhã de sábado e esgotaram rapidamente.

Depois de esgotar quatro concertos para o Coliseu de Lisboa em menos de um dia, Madonna anuncia dois espetáculos extra para os dias 22 e 23 de janeiro do próximo ano.

"Face à enorme demanda, Madonna acaba de confirmar mais duas datas extra, que terão lugar na mesma sala, nos dias 22 e 23 de janeiro de 2020. Os bilhetes para os dois espetáculos serão colocados à venda esta próxima sexta-feira, dia 31 de maio, a partir das 10.00", informa a Everything is New em comunicado.

Segundo a produtora, os bilhetes para os dias 16, 18 e 19 de janeiro, no Coliseu de Lisboa, esgotaram "em apenas 30 minutos". Posteriormente, foram colocadas à venda as entradas para a quarta atuação, que esgotaram "igualmente em pouco tempo, continuando a verificar-se uma gigante procura".

Perante tanta procura, a cantora norte-americana confirmou mais duas datas para o mesmo local.

De acordo com a Everything is New, os membros mais antigos do Clube de fãs de Madonna, Icon, poderão comprar os bilhetes em avanço. A pré-venda realiza-se no dia 29 de maio, quarta-feira, a partir das 10.00, prolongando-se até quinta-feira, dia 30 até às 17.00.

A digressão Madame X começa no dia 12 de setembro deste ano no BAM Howard Gilman Opera House em Nova Iorque e passa por cidades como Chicago, Los Angeles, Las Vegas e Boston, antes de chegar a Lisboa no início de 2020.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.