Livro de Michelle Obama já é o mais vendido de 2018

Mulher do ex-presidente dos EUA Barack Obama lançou "Becoming" no início de novembro, editado em 31 idiomas diferentes.

Duas semanas bastaram para que a obra "Becoming", um duro retrato de Donald Trump escrito pela mulher do ex-presidente Barack Obama traça um retrato duro de Donald Trump, se tornasse o livro mais vendido do ano. Nestas páginas, mora uma crítica direta às opções políticas do atual presidente norte-americano que já terão rendido, segundo anunciado pela editora, Penguin Random House, mais de dois milhões de cópias nos EUA e Canadá desde 13 de novembro.

Em papel, como e-book e até audiolivro. Os números incluem todos os formatos e ergueram a obra da antiga primeira-dama ao pódio até ao qual nenhum outro livro publicado nos dois países conseguiu chegar este ano. Apesar da desvantagem de cerca de 11 meses que, "Becoming" terá ultrapassado o número de vendas Fire and Fury, de Michael Wolf, também sobre Donald Trump.

O livro está também no topo das listas de best-sellers de não-ficção em vários outros países à volta do mundo, como Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Noruega. O livro foi publicado em 31 idiomas diferentes. Também as digressões já agendadas pela autora para apresentação da obra estarão a esgotar-se. De acordo com a plataforma Quartz, em Nova Iorque há quem tenha esperado mais de 16 horas ao frio para poderem regressar a casa com um autógrafo de Michelle Obama no seu livro.

"Becoming" é um livro de memórias. Nele, a companheira do anterior presidente dos EUA revela informações sobre a vida de Obama após uma década no centro das atenções globais, fala sobre o seu casamento, carreira e várias lutas que travou em vida.

A classe política conservadora, mas principalmente Donald Trump, não ficam fora do retrato. O presidente é criticado por ter espalhado dados falsos sobre a família Obama e por a ter colocado em perigo. Mais recentemente, Michelle e outras figuras do Partido Democrata terão recebido uma carta com um dispositivo explosivo. Sobre isto, Michelle já terá dito que não o perdoaria. Acusa-o ainda de ter feito uso de uma linguagem corporal desadequada para atacar a sua principal adversária nas últimas eleições presidenciais norte-americanas, Hillary Clinton, durante a campanha, em 2016. De acordo com a antiga inquilina da Casa Branca, Trump gosta de passar a imagem de alguém que sabe que pode magoar as pessoas e ficar impune.

Michelle Obama andará em digressão por várias cidades dos EUA a apresentar o seu livro. Parte das receitas das conferências serão doadas a instituições de caridade, escolas e grupos comunitários situadas nestas cidades.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG