"Joker" ganha Leão de Ouro em Veneza e "A Herdade" também foi distinguido

O filme de Todd Phillips ganhou o Leão de Ouro do famoso festival. "A Herdade", de Tiago Guedes, obteve um prémio da crítica, o "Bisato d'Oro".

O Festival Internacional de Veneza terminou este sábado, com o anúncio da entrega dos prémios. Os galardões máximos foram deixados para o fim, a partir das 20:00 (19:00 de Lisboa), com a entrega do Leão de Ouro a Todd Phillips, pelo filme Joker. O realizador agradeceu a toda a equipa, destacando o papel de Joaquin Phoenix, o ator principal.

Roman Polanski recebeu o grande prémio do júri, o Leão de Prata, com o filme J'accuse. Roy Andersson foi distinguido pela melhor realização com filme About Endlessness.

Os atores premiados, dois italianos, aproveitaram o momento para destacar os refugiados e todas as pessoas que são obrigadas a deixar os seus países. Luca Marinelli recebeu o prémio de melhor ator pelo filme Martin Eden. Terminou o discurso com uma dedicatória: "Dedico o prémio a quem está no mar a tentar salvar vidas. Viva a humanidade, viva o amor!".

No mesmo tom, Ariane Ascaride, prémio de melhor atriz pelo filme Gloria Mundi, recordou a sua vida de imigrante em França, salientando que o galardão lhe dava a oportunidade de se reencontrar com as suas raízes. "Estou a viver um sonho. Sou a típica imigrante italiana à procura de uma vida melhor, que fugiu à miséria e recomeçou em Marselha (França)", disse. Dedicou o galardão a todos os que acabam por ficar no fundo do Mediterrâneo.

A Herdade com prémio dos críticos

O filme português A Herdade, de Tiago Guedes, também esteve em concurso, e foi distinguido com o Prémio Bisato d'Oro de Melhor Realização atribuído pela crítica independente do festival de cinema de Veneza, um júri paralelo ao festival, facto que mereceu uma saudação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Épico intimista, entre o melodrama e o imaginário do 'western' tardio, filme em diálogo com algum cinema clássico e moderno, nomeadamente o italiano, A Herdade'é uma história do Portugal contemporâneo contada a partir das vicissitudes de uma família de proprietário rurais do sul do país", descreve o Presidente, na mensagem de felicitações.

O Bisato d'Oro (Enguia de Ouro) é um prémio paralelo aos galardões oficiais do festival de Veneza, atribuído por um júri independente presidido por Paolo De Cesare, distinto igualmente dos prémios da Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci).

"Uma obra de espaços, de tensões de não-ditos, de personagens fracas e fortes, contraditórias, que mantém uma memorável sobreposição entre os traumas privados e as mudanças políticas, e que manifesta além do mais a diversidade do cinema português", sublinha ainda Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a nova longa-metragem de Tiago Guedes.

As hipóteses do filme português ser selecionado para um prémio voltam a abrir-se no Festival de Toronto para onde irá a equipa na semana que vem e onde A Herdade está na prestigiada secção Special Presentations, em Toronto, e, segundo o DN sabe, certos distribuidores norte-americanos estão interessados em adquirir o filme. Este ano tem sido positivo para o cinema português. O Leopardo de Ouro de Locarno foi ganho por Pedro Costa com Vitalina Varela.

O filme A Herdade narra a história de uma família portuguesa numa herdade ao sul do Tejo ao longo de mais de 40 anos, do período antes do 25 de Abril até quase aos nossos dias, abarcando temas como o incesto, adultério e outras especificidades de um melodrama que com a serenidade dramática de Guedes ganha um peso de saga universal. A Herdade foi bem acolhido em Veneza. Teve uma ovação de pé, de largos minutos e a imprensa internacional também ficou muito bem impressionada. O Der Spiegel falou de um «épico candidato ao Leão de Ouro. O realizador Tiago Guedes mostra em Veneza o declínio de uma dinastia portuguesa liderada por homens. A interpretação concentrada de [Albano] Jerónimo brilha entre a arrogância de [Marlon] Brando e a contenção brutal de Alain Delon. É uma revelação», disse Andreas Borcholte.

No Screen Daily , falava-se do filme como "correndo profunda e lentamente como o rio Tejo." A Herdade de Tiago Guedes "é uma saga familiar portuguesa com quase três horas de duração que se constrói a partir de picos dramáticos e de um notável retrato de um patriarcado feudal a ser devorado pelas circunstâncias que o rodeiam. O filme cresce em autoridade e poder, graças à presença magnética de Albano Jerónimo como um belo mas desdenhoso proprietário, com um complexo de superioridade mas profundamente ligado à sua terra. É precisamente o mito do macho dominante que o filme gradualmente desconstrói. E fá-lo também graças a outra impressionante interpretação, a de Sandra Faleiro, Leonor, a esposa de João. A realização de Tiago Guedes é comedida e controlada durante todo o filme, e as contribuições técnicas são impressionantes, desde a montagem rítmica e lenta de Roberto Perpignani, até aos figurinos e ao desenho de luz." A crítica era assinada por Lee Marshall que dava 4 estrelas ao filme.

Portugal pode ter aqui um verdadeiro candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, embora a Academia portuguesa ainda não tenha decidido se é este o filme a propor. Tiago Guedes, em declarações ao DN, revelava a sua satisfação com a nomeação em Veneza. "Acho que o filme, apesar de ser altamente português e de falar de um certo tempo e momentos muito nossos, retrata situações e emoções bastante universais. Acredito que a história e as personagens, a questão das heranças afetivas, as mudanças sociais, as dificuldades de entendimento entre as pessoas, são todos temas universais."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.