Videoclipe de David Carreira indigna PSP. "Não há um crime, há uma questão de respeito"

"Não consideramos que ter alguém a dançar em cima de um carro de patrulha seja um ato respeitoso", diz ao DN o porta-voz da PSP Hugo Palma.

Mais do que as 600 mil visualizações que já conta, a questão que tem sido discutida sobre o novo videoclipe de David Carreira, do single O Problema É Que Ela É Linda, é a utilização de um carro da PSP.

O single é uma parceria com o brasileiro MC Zuka e o angolano Deejay Telio, que vemos em cima do carro alugado pela produtora Regi Brainstorm. Atrás dele há várias mulheres que, mais à frente, também dançam no carro, que se vê de portas abertas. Deejay Telio canta: "Mas a f*** é que ela é linda." A PSP afirma que nenhuma daquelas cenas estava prevista no aluguer da viatura, que deveria ter servido de mero cenário.

"Obviamente que não concordamos com aquela postura. Se tivéssemos conhecimento de que seria aquela a forma de filmagem e postura não iríamos aceitar a cedência do meio. Não consideramos que ter alguém a dançar em cima de um carro de patrulha seja um ato respeitoso, com o qual nos identifiquemos", disse ao DN Hugo Palma, porta-voz da PSP.

O intendente refere ainda que a reação por parte da PSP passará por "manifestar o nosso desagrado e conversar com a produtora, vamos ter de avaliar de futuro como é que faremos as coisas relativamente a esta produtora". E deverá ficar por aí, pois, como acrescenta, "não há um crime, há uma questão de gosto e de respeito".

Todos os anos a PSP aprova "dezenas de pedidos para novelas e séries" e, segundo o seu porta-voz, a postura não vai mudar. "Com todas as outras produtoras que têm trabalhado connosco, porque têm sido cumpridoras e respeitadoras, mantemos a nossa colaboração. Não vamos agora adotar algo mais rígido e deixar de ceder material. Vamos continuar a trabalhar com as outras produtoras como até aqui, numa lógica de boa-fé."

A produtora Regi Brainstorm afirmou ao jornal i que houve "um acompanhamento de um responsável da entidade em todos os momentos do processo". Contudo, Hugo Palma diz tratar-se do motorista da viatura e não de alguém responsável por supervisionar o cumprimento dos termos do aluguer. "Porque nunca houve problemas, não acompanhamos as filmagens. Tomamos de boa-fé aquilo que nos é transmitido. As coisas sempre correram bem."

Neste ano, faz saber o subintendente, a PSP recusou já dois pedidos "que tinham que ver com música". "Não estávamos de acordo com o que iria ser retratado", justifica.

No mês passado, em resposta a uma fotografia publicada pelo rapper Piruka no Instagram, em que este aparece sentado no capô de uma viatura da PSP a fumar, a PSP escreveu o seguinte comentário: "É claro que uma viatura nossa dá mais "cenário" a qualquer foto... Compreendemos."

Questionado sobre a diferença de reação entre o caso do videoclipe e o da fotografia de Piruka, o porta-voz responde: "O Piruka fez aquilo por iniciativa dele. Não houve nada autorizado por nós, nada foi pensado, não houve nenhuma produção, foi uma transgressão que o Piruka resolveu fazer. E nós, naquilo que é a nossa lógica de comunicação em redes sociais, interagimos com a publicação que ele fez. Fizemos um comentário sem confrontação, apenas para lhe mostrar que estamos atentos."

Em relação à referida "lógica de comunicação em redes sociais" da PSP, veja-se, por exemplo, a publicação feita pela página oficial de Facebook nesta quinta-feira, em que vemos dois elementos da PSP com o músico angolano C4Pedro e uma referência a um dos seus temas mais conhecidos: "É caso para dizer, 'vamos ficar por aqui'!"

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.