Vestido vermelho e sapatos Louboutin. Aretha Franklin como uma rainha

Rendas e contas num vestido feito à medida e uma pose de diva. Aretha Franklin vai usar roupa diferente durante os dois dias do funeral.

Um vestido e sapatos vermelhos. Não são cores habituais num funeral, mas é assim que Aretha Franklin repousa num caixão dourado no primeiro dos dois dias em que vai estar em câmara-ardente para ser saudada pelos fãs. A roupa, escolhida pela família, é fiel à aura de diva que Aretha cultivava.

Até a pose, de pés cruzados, é diferente do habitual. O vestido vermelho com rendas e contas foi feito à medida. Os sapatos da mesma cor são da conhecida marca Louboutin, com um salto de 12,7 centímetros. Também os brincos foram feitos especialmente para a diva.

Segundo a coordenadora do funeral, ao longo dos dois dias em que vai estar em câmara-ardente no Museu Charles H. Wright de História Afro-Americana, em Detroit, serão vários os modelos usados por Aretha Franklin.

A cor do vestido tem sido ligada ao facto de a cantora ter pertencido à irmandade Delta Sigma Theta, que se distingue por lutar pelos direitos das mulheres afro-americanas. As flores que rodeiam o caixão são as suas favoritas: rosas cor-de-rosa.

"Ela será apresentada numa maneira que reflete a sua vida e o seu legado", refere Linda Swanson, vice-presidente executiva da funerária Swanson, que organiza a cerimónia, citada pelo USA Today.

O próprio caixão dourado é banhado a ouro de 24 quilates - um modelo igual com que foram sepultados James Brown e Michael Jackson.

O funeral está marcado para sexta-feira no Greater Grace Temple, uma cerimónia destinada apenas para a família e amigos próximos. Aretha Franklin morreu aos 76 anos devido a um cancro no pâncreas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?