Vestido vermelho e sapatos Louboutin. Aretha Franklin como uma rainha

Rendas e contas num vestido feito à medida e uma pose de diva. Aretha Franklin vai usar roupa diferente durante os dois dias do funeral

Um vestido e sapatos vermelhos. Não são cores habituais num funeral, mas é assim que Aretha Franklin repousa num caixão dourado no primeiro dos dois dias em que vai estar em câmara ardente para ser saudada pelos fãs. A roupa, escolhida pela família, é fiel à aura de diva que Aretha cultivava.

Até a pose, de pés cruzados, é diferente do habitual. O vestido vermelho com rendas e contas foi feito à medida. Os sapatos da mesma cor são da conhecida marca Louboutin, com um salto de 12,7 centímetros. Também os brincos foram feitos especialmente para a diva.

Segundo, a coordenadora do funeral, ao longo dos dois dias em que vai estar em câmara ardente no Museu Charles H. Wright de História Afro-Americana, em Detroit, serão vários os modelos usados por Aretha Franklin.

A cor do vestido tem sido ligada ao facto de a cantora ter pertencido à irmandade Delta Sigma Theta, que se distingue por lutar pelos direitos das mulheres afro-americanas. As flores que rodeiam o caixão são as suas favoritas: rosas cor-de-rosa.

"Ela será apresentada numa maneira que reflete a sua vida e o seu legado", refere Linda Swanson, vice-presidente executiva da funerária Swanson, que organiza a cerimónia, citada pelo USA Today.

O próprio caixão dourado é banhado a ouro de 24 quilates - um modelo igual com que foram sepultados James Brown e Michael Jackson.

O funeral está marcado para sexta-feira no Greater Grace Temple, uma cerimónia destinada apenas para a família e amigos próximos. Aretha Franklin morreu aos 76 anos devido a um cancro no pâncreas.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.