Valérie Massadian: "Sou uma cineasta jovem aos 47 anos"

Valérie Massadian, fotógrafa, cineasta, artista livre. Depois de Nana, estreado há seis anos, está aí nos cinemas com Milla, história de amor trágica de uma adolescente. Numa passagem por Portugal, a realizadora falou ao DN.

Começou a fazer cinema aos 42 anos. Deduzo que essa descoberta na sua vida artística tenha sido um bálsamo de reinvenção pessoal. Será que o cinema é para si uma fonte de juventude?

Sim, por completo. Sou uma cineasta jovem aos 47 anos. É preciso perceber que comecei a trabalhar aos 16 anos, isto do cinema foi realmente uma reinvenção! Vivi antes muitas outras vidas... O cinema sempre foi uma coisa inacessível, ao contrário da fotografia, em que posso tirar da mala a máquina e começar a disparar. Um tipo há pouco perguntou-me se estava orgulhosa do filme... Isso não sei, estou sim orgulhosa de aos 42 anos ter tido coragem de fazer cinema. Senti que tinha chegado a minha vez, o meu filho já estava crescido. A minha única pressão é tentar arranjar algum dinheiro para continuar a trabalhar e pagar a renda, nada mais.

Nesta apresentação de Milla no aniversário do cinema Ideal falou-se da sua relação com Portugal. Não é por acaso que o filme tem como produtores o coletivo Terratreme...

Mas é uma relação que passa pelo amor, como todas as relações. A minha relação começou com uma história de amor, uma história que terminou. Porém, a minha relação com Portugal manteve-se. Honestamente, foram seis anos em que vinha e voltava frequentemente devido a essa relação. E não vivia em Lisboa, mas sim em Sintra, local a que depois disso não voltei - dizem-me que ainda está pior do que Lisboa com toda essa invasão do turismo. A sério, tudo o que gosto em Lisboa está a desaparecer. Isso entristece-me muito. Antes havia aquela sensação de comunidade na cidade, muito parecida àquela que se encontra nas aldeias. O que está aqui a acontecer acontece também em todo o lado, mas em Lisboa é mais violento.

Luc Chessel, o protagonista masculino do filme, é famoso em França como crítico de cinema do Libération. Por muito que seja difícil a questão da distanciação, não fica curiosa pelo seu olhar cinéfilo sobre o filme?

Devo dizer que ele é um dos raros críticos em França que tem o meu respeito. O que ele escreve é mesmo interessante. Fiquei danada quando percebi que o único tipo que poderia escrever algo que eu gostasse de ler sobre o meu filme nunca o iria poder fazer. Mas a verdade é que passados uns meses ele acabou mesmo por escrever, enfim, ganhou distância. E o texto é mesmo muito belo. O Luc é espertíssimo, tem uma cabeça que funciona muito bem. Ele conseguiu encontrar a distância certa para ver o filme de fora, coisa que ainda não consigo.

Em Milla sentimos uma ideia de onirismo muito própria. Nos seus sonhos existem planos de cinema?

Sim, tremendamente! Tenho a certeza, eu lembro-me sempre dos meus sonhos. Isso tem a ver com facto de ser descendente de arménios. Quando era miúda, mal acordava ia contar os sonhos aos meus avós... Fui criada segundo um sistema em que a fronteira entre o real e o onírico é muito fina, se é que existe...

E como gere esse seu método de filmar sem argumento? Como se gere essa coisa tão sagrada que é o instinto dos atores?

Trato os atores como crianças. Digo isto de forma nada condescendente - respeito mais as crianças, os animais e os idosos do que qualquer adulto. Dirijo os atores criando jogos.

Mas não os engana?

Não, de todo! Os jogos passam por situações que lhes dou, como, por exemplo, "façam café". Peço-lhes também para interagirem com objetos. Nos meus filmes tenho sempre muitos objetos e para mim são mesmo objetos, não são adereços. É sempre um processo que não sei aonde vai chegar, apenas sei as emoções que quero filmar.

E, depois, com tudo isso, como passa a intimidade?

Essa foi a parte mais complicada! Tivemos de a construir. A Séverine, a atriz, tinha alguns problemas com o seu corpo e, além do mais, o Luc é muito diferente dela. São o oposto um do outro e era isso que eu queria.

E soube sempre quando as coisas resultavam?

Sempre.

Quando está a filmar, já alguma fez sentiu o seu olhar de fotógrafa a sobrepor-se?

Não, não penso nisso. Separo as coisas, cinema e fotografia são duas coisas completamente diferentes. Mesmo dentro da fotografia considero que o retrato e a fotografia de rua são dois processos diferentes. Fazer um retrato é bem mais próximo do que filmar alguém. Confesso que nunca penso no enquadramento, é tudo instintivo. Fotografar ou filmar é a mesma coisa.

Não consegue detetar quando vê um filme que tenha sido realizado por um realizador que veio da fotografia?

Não... Antes de mais, a maioria dos realizadores não faz um enquadramento, pede ao diretor de fotografia. O que consigo é perceber se um diretor de fotografia é bom ou não. Aborrece-me quando vejo planos muito enquadrados, perfeitos, pois sinto que depois estão mortos. Irritam-me aqueles planos que são demasiado pensados e determinados... Tudo o que é demasiado pensado morre. Para mim, a questão não passa pela perfeição ou imperfeição, mas sim deixar a luz chegar e perturbar algo.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.