Série da Netflix ainda não se estreou e já há 111 mil pessoas a pedir o seu cancelamento

Farta de ser alvo de bullying, Patty, uma rapariga gorda, decide emagrecer para se poder vingar de quem a atormentou. Esta é a história de Insatiable, que está a ser criticada por promover a vergonha das mulheres em relação ao seu corpo.

Insatiable estreia-se a 10 de agosto na Netflix mas só o trailer divulgado pela plataforma de streaming já começou a causar indignação. Mais de cem mil pessoas assinaram uma petição online para impedir a exibição desta série de humor protagonizada por Debby Ryan que conta a história de Patty, uma rapariga que, depois de anos a ser alvo de bullying por ser gorda, consegue emagrecer e decide vingar-se de todos os que a atacaram.

Os assinantes da petição queixam-se de que a série é tóxica e promove o body-shaming, ou seja, a vergonha do próprio corpo. A série passa a ideia de que é normal as raparigas gordas serem alvo de bullying e também que se querem alterar essa situação o que devem fazer é emagrecer. Se forem magras e giras têm poder para fazer o que quiserem.

Este é o trailer que está a causar polémica:

"Durante muito tempo, a narrativa dizia às mulheres e às jovens que para ser popular, ter amigos e ser desejável ao olhar dos homens, e em certa medida ser um ser humano valioso, teríamos de ser magras", escreveu Florence, no lançamento da petição no site Change.org. Esta série "não é um caso isolado mas parte de um problema muito maior que, asseguro-vos, todas as mulheres enfrentaram na sua vida", alerta. E Insatiable mais não faz do que "perpetuar não só a toxicidade da cultura das dietas como também a objetificação dos corpos das mulheres". Neste momento mais de 111 mil pessoas assinaram a petição.

A criadora de Insatiable, Lauren Gussis, reagiu às críticas, explicando que a história foi inspirada na sua experiência: aos 13 anos tinha problemas com o seu corpo, era alvo de bullying e chegou a ter pensamentos suicidas: "Estou a tentar partilhar a minha dor e a minha vulnerabilidade através do humor", disse no Twitter, pedindo: "Deem uma hipótese à série."

Também a atriz Debby Ryan saiu em defesa da série, contando os seus próprios problemas com a sua imagem e dizendo que Insatiable "enfrenta" os preconceitos em relação ao corpo das mulheres "através da sátira": "Tenho de me rir da minha dor, senão irei dissolver-me em lágrimas e ficarei presa na dor em vez de conseguir ultrapassá-la."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.