Paul McCartney voltou a Abbey Road

O ex-Beatle prepara-se para lançar um novo álbum de originais, em setembro, intitulado "Egypt Station"

Atravessar a rua não é notícia. A não ser que o peão seja Paul McCartney e que esteja a atravessar a passadeira na Abbey Road, em Londres. Foi o que aconteceu hoje, quando o músico aceitou ser filmado no mesmo local onde, há quase 49 anos, foi fotografada a capa do álbum dos Beatles, Abbey Road.

A famosa fotografia foi tirada a 8 de agosto de 1969 por Iain MacMillan e lá estavam Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr. Hoje foi assim, com Paul a atravessar a rua filmado pela sua filha, Mary:

McCartney prepara-se para lançar, a 7 de setembro, o seu novo álbum, Egypt Station, e já começou a promovê-lo. Após o lançamento dos dois primeiros temas, I Don't Know e Come On To Me, no mês passado, o músico participou no Carpool Karaoke com James Corden e, na próxima quarta-feira estará de volta à sua antiga escola em Liverpool para uma conversa com os alunos.

Segundo a NME, o músico visitou hoje os estúdios de Abbey Road, onde os Beatles gravaram tantas das suas canções. Lá dentro, Paul McCartney interpretou alguns clássicos para uma pequena audiência. Os espetadores foram escolhidos através de um desafio aos mais de 3,8 milhões de seguidores que ele tem nas redes sociais: tinham que enviar um pequeno vídeo respondendo à questão "Porque deverás ser tu a estar no evento secreto de Paul McCartney na próxima semana?".

A notícia de que o "evento secreto" aconteceria nos estúdios da Abbey Road já tinha sido divulgada mas, apesar disso, os transeuntes ficaram surpresos por vê-lo ali.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.