Paul McCartney voltou a Abbey Road

O ex-Beatle prepara-se para lançar um novo álbum de originais, em setembro, intitulado "Egypt Station"

Atravessar a rua não é notícia. A não ser que o peão seja Paul McCartney e que esteja a atravessar a passadeira na Abbey Road, em Londres. Foi o que aconteceu hoje, quando o músico aceitou ser filmado no mesmo local onde, há quase 49 anos, foi fotografada a capa do álbum dos Beatles, Abbey Road.

A famosa fotografia foi tirada a 8 de agosto de 1969 por Iain MacMillan e lá estavam Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr. Hoje foi assim, com Paul a atravessar a rua filmado pela sua filha, Mary:

McCartney prepara-se para lançar, a 7 de setembro, o seu novo álbum, Egypt Station, e já começou a promovê-lo. Após o lançamento dos dois primeiros temas, I Don't Know e Come On To Me, no mês passado, o músico participou no Carpool Karaoke com James Corden e, na próxima quarta-feira estará de volta à sua antiga escola em Liverpool para uma conversa com os alunos.

Segundo a NME, o músico visitou hoje os estúdios de Abbey Road, onde os Beatles gravaram tantas das suas canções. Lá dentro, Paul McCartney interpretou alguns clássicos para uma pequena audiência. Os espetadores foram escolhidos através de um desafio aos mais de 3,8 milhões de seguidores que ele tem nas redes sociais: tinham que enviar um pequeno vídeo respondendo à questão "Porque deverás ser tu a estar no evento secreto de Paul McCartney na próxima semana?".

A notícia de que o "evento secreto" aconteceria nos estúdios da Abbey Road já tinha sido divulgada mas, apesar disso, os transeuntes ficaram surpresos por vê-lo ali.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."