Paris despede-se de Richard Demarcy, "poeta, intelectual e amigo de Zeca Afonso"

O artista morreu no domingo aos 76 anos em Paris

O funeral do encenador e dramaturgo francês Richard Demarcy, "poeta, intelectual e amigo de Zeca Afonso" - nas palavras do filho Emmanuel Demarcy-Mota - realiza-se, hoje, no cemitério Père Lachaise, em Paris.

Richard Demarcy, que morreu no domingo, aos 76 anos, "foi o primeiro a escrever quatro peças sobre o que se passava em Portugal" durante o Estado Novo e teve "uma grande ligação" com José Afonso, para quem escreveu algumas canções, contou à Lusa o encenador luso-francês Emmanuel Demarcy-Mota.

"Ele tinha uma paixão pelos povos, pelas diferenças e pela poesia do mundo. Ele era poeta - para mim é um poeta - um intelectual, um grande amigo de Zeca Afonso e um grande amigo de vários povos do mundo", contou o filho de Richard Demarcy e da atriz portuguesa Teresa Mota.

O também diretor do Théâtre de la Ville recordou alguns dos poemas que o pai escreveu contra a PIDE, em 1966, com o pseudónimo Jean-Claude Arcy, um ano antes de ir para Paris com a então mulher, Teresa Mota, obrigada a fugir por razões políticas e com quem viria a fundar o grupo de teatro experimental Naïf Théâtre, em 1972.

"Ele escreveu 'Oh camarades, torturés par la PIDE' sobre a polícia política que ele odiava e que eram monstros. Também escreveu 'Aimer' e 'O Poder de Viver'. Escreveu com o nome Jean-Claude Arcy senão não podia entrar mais em Portugal e a Teresa podia ter problemas", contou Emmanuel Demarcy-Mota.

Richard Demarcy participou nos acontecimentos de maio de 1968, foi secretário-geral do Théâtre de la Commune d'Aubervilliers e também viveu "a luta" do maio de 68 a "declamar poesia nas fábricas" com Teresa Mota, irmã do fundador do Teatro da Comuna, João Mota.

"Com o maio de 68, ele começou a luta ao lado dos poetas. Com a minha mãe declamavam poemas do Jacques Prévert. Eram poemas sobre a igualdade e a beleza do mundo e como devia ser partilhada por todos. Ele acompanhou também o Cohn-Bendit e era a favor de um movimento pacífico e contra todo o tipo de violência", continuou o seu filho.

Exilado em França, José Afonso chegou a dormir na casa de Richard Demarcy, no 19.° bairro de Paris, altura em que o encenador "escreveu textos que o Afonso cantou" e em que ajudou a organizar a gravação de "Grândola, Vila Morena".

"Quando o padre [Francisco] Fanhais esteve em Paris - o padre Fanhais que faz parte dos quatro que cantaram a Grândola Vila Morena que passou nas ondas portuguesas na noite do 25 de Abril de 1974 - ele falou com o meu pai, e o Afonso também, e foram gravar isso nos arredores de Paris numa noite", recordou.

O dramaturgo também escreveu peças sobre a revolução portuguesa", nomeadamente "A Noite do 28 de setembro", que inaugurou o Centro Dramático de Évora e que foi apresentada no Festival de Outono, em Paris, em 1976, "Les Vaches de Cujancas" e "Barracas 1975", que foram apresentadas no Festival de Avignon, em 1977.

"Ele foi o primeiro francês, ou estrangeiro, a escrever quatro peças sobre o que se passava a nível político em Portugal. O Richard conseguiu que a cultura portuguesa, a história do país e da revolução, entrasse nas grandes instituições em França, nomeadamente, no Festival de Avignon e no Festival de Outono que são os dois maiores festivais, franceses e europeus, neste momento", considerou Emmanuel Demarcy-Mota.

O seu pai foi, também, "o primeiro a introduzir Fernando Pessoa em França", ao encenar a "Ode Marítima", em 1989, "para fazer descobrir em França a força da poesia de Portugal, um país muito mal conhecido que toda a gente pensa que é um pequeno país da Europa e da emigração e que poucos conhecem a força dos seres e da poesia".

Além da ligação a Portugal, Richard Demarcy continuou "o seu amor com outros países do mundo, com a poesia inglesa e com a paixão que sempre teve com África", tendo trabalhado no Senegal, em Angola e Moçambique.

"O Richard é português, francês, africano, um cidadão universal. Lutou, sem nunca se queixar, contra a doença terrível. Ele nunca abandonou. Sempre acreditou que a vida era mais forte", concluiu o também diretor do Festival de Outono, em Paris, que herdou do pai "o gosto do teatro e desta vida em que a poesia tem uma ligação com a política no sentido profundo da palavra".

Em comunicado, o ministro português da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, lamentou a morte de um "autor poeta, que tinha na partilha e na palavra a inteligência e a sensibilidade do mundo".

Também a ministra francesa da Cultura, François Nyssen, lhe prestou homenagem em comunicado: "Sensível às histórias e sensível às pessoas , ele soube maravilhar muitos espetadores com as encenações de contos e lendas e dos seus próprios textos, muitas vezes em ressonância com o século ou com os seus sonhos inspirados de Lewis Carroll, Rudyard Kipling ou Fernando Pessoa".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.