Open House regressa com 84 espaços para visitar em Lisboa

No fim de semana de 22 e 23 de setembro as portas de Lisboa abrem-se para a 7.ª edição do evento que, na sua sétima edição, com o tema "Habitar Lisboa em transformação", estreia 38 espaços

As linhas gerais do evento, organizado pela Trienal de Arquitetura de Lisboa, foram hoje apresentadas aos jornalistas, em Lisboa, com a presença dos comissários, do presidente da Trienal, José Mateus, e da presidente da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), Joana Cardoso.

José Mateus indicou que uma das novidades deste ano é a criação de nove percursos urbanos que terão como guias especialistas convidados, desde arquitetos a historiadores como Inês Lobo, Ana Vaz Milheiro e José Manuel Fernandes.

"Este ano haverá locais a visitar que ainda estão em processo de construção", revelou o presidente, como é o caso do Atelier Ulisseia, onde decorreu a conferência de imprensa, localizado na avenida Infante Dom Henrique, no Edifício Beira Rio, alvo de um projeto de reabilitação do Atelier JQTS (João Quintela Tim Simon).

José Mateus sublinhou o interesse crescente manifestado pelo público, que, no ano passado, registou uma participação de 44 mil pessoas.

Por seu turno, a presidente da EGEAC, parceira na organização, sublinhou que a realização do Open House "é sempre um momento importante para dar acesso gratuito aos cidadãos à arquitetura da cidade".

"É um projeto que não é apenas feito por e para arquitetos, mas que, tendo por base conhecimentos especializados muito sólidos, é para o grande público, incluindo crianças", vincou.

Este ano, foram convidados para comissários os arquitetos Luís Santiago Batista e Maria Rita Pais, que elegeram o tema "Habitar Lisboa em transformação".

"Queremos mostrar com esta seleção de edifícios o trabalho fundamental dos arquitetos no pensamento, construção e formas de habitar a cidade ao longo do tempo", disse Luís Santiago Batista.

O Open House Lisboa abre as portas a locais de referência da arquitetura da capital, públicos e privados, alguns deles fechados ao longo do ano, e alguns oferecem visitas com os autores dos projetos.

Teatros, igrejas, museus, casas privadas, escolas, palácios, hospitais, serão abertos para visitas livres ou guiadas por especialistas.

Este ano, entre muitos outros, o Open House faz percursos que passam pelo Museu do Dinheiro, Cinema Ideal, Atelier Cecílio de Sousa, Imprensa Nacional, Casa no Arco do Cego, Fábrica Musa, Underdogs Gallery, Empreendimento Prata, Planetário Calouste Gulbenkian, Escola Francisco Arruda.

O Pestana Palace, Apartamento Arriaga, Museu da Marinha, Hub Criativo do Beato, Casa da Severa, Largo Residências, Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha, Gare do Oriente, Torre do Tombo, Hospital Júlio de Matos, Casa no Bairro das Estacas, SAAL - Bairro das Fonsecas e Calçada, Teatro Thalia, Escola Secundária Padre António Vieira, também integram os percursos.

A iniciativa Open House foi lançada em Londres, em 1992, pela arquiteta e curadora britânica Victoria Thornton e já passou por cidades como Oslo, Nova Iorque, Roma, Helsínquia, Praga e Buenos Aires.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.