Na noite de eclipse brilha a estrela Zorn

Começa nesta sexta-feira com John Zorn e termina a 5 de agosto com John Zorn. Pelo meio há John Zorn. A 35.ª edição do Jazz em Agosto é monotemática mas não monótona, espera-se, com uma homenagem em forma de festival ao músico e compositor que inovou o jazz.

Há cinco anos, quando o saxofonista e compositor fez 60 anos, teve direito a uma fatia da programação. A "figura algo mítica", nas palavras do programador Rui Neves, tem agora dedicada a totalidade do Jazz em Agosto.

Nada mais apropriado para um concerto inaugural do que uma formação inédita. Para a noite do maior eclipse lunar do século estava prevista a companhia de Thurston Moore (guitarra) e do baterista Milford Graves, mas problemas de saúde impediram a vinda deste último. Em substituição vão estar em palco Tomas Fujiwara (bateria), Mary Halvorson e Matt Hollenberg (guitarra elétrica), Drew Gress e Greg Cohen (contrabaixo).

No sábado, Zorn apresenta uma sessão dupla, com o Mary Halvorson Quartet (supra referidos) e com os Masada (além de Zorn e do referido Cohen, pontificam Dave Douglas no trompete e Joey Baron na bateria). Na ementa está o volume 32 do Book of Angels (série de composições de Zorn) e todo o universo sonoro judaico.

Os dois primeiros concertos do Jazz em Agosto estão esgotados.

O nova-iorquino que o Jazz em Agosto considera "uma das figuras mais intrigantes, inspiradoras e inspiradas" atua uma última vez no domingo. No grande auditório da Gulbenkian, Zorn vai tocar órgão de tubos. Desta feita apresenta The Hermetic Organ numa versão a dois, com a japonesa Ikue Mori. Como curiosidade, ambos já se apresentaram em Lisboa com Mike Patton (Faith No More), em 1996, na Voz do Operário.

O domingo zorniano tem mais dois momentos. Às 18.00 é projetado o filme John Zorn (2016-2018), de Mathieu Amalric. O ator e realizador estará presente.

Depois, no mesmo espaço, às 19.30, dá-se a estreia em terras europeias de Jumalattaret, composição inspirada no épico finlandês Kalevala, e dada vida por Barbara Hannigan (soprano) e Stephen Gosling (piano).

Até domingo 5 de agosto, contam-se 18 concertos e cinco filmes a gravitar na estrela John Zorn. Uma proposta essencial para quem queira descobrir ou aprofundar o universo zorniano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.