Morreu o músico brasileiro Marcelo Yuka aos 53 anos

O músico e compositor brasileiro, um dos fundadores da banda de reggae/rock O Rappa, morreu num hospital no Rio de Janeiro, na noite de sexta-feira, divulgaram hoje fontes médicas.

Marcelo Yuka, nome artístico de Marcelo Fontes do Nascimento, foi internado no início do ano em estado grave, com quadro de infeção generalizada após ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC), o segundo em menos de um ano. Acabaria por morrer, aos 53 anos, um hospital no Rio de Janeiro, na noite de sexta-feira.

Em 2000, o artista brasileiro ficou paraplégico depois de receber nove tiros nas costas para tentar impedir que um grupo de criminosos roubasse o carro de uma mulher num bairro na zona norte do Rio.

Também foi protagonista do documentário Marcelo Yuka no Caminho das Setas, dirigido pela brasileira Daniela Broitman e que foi apresentado em diferentes festivais de cinema.

Yuka foi o baterista, principal compositor e líder dos O Rappa, que se tornou uma das principais bandas brasileiras de reggae-rock dos anos de 1990 no Brasil.

Marcelo Yuka denunciou a violência urbana, o racismo e a desigualdade social através de suas letras.

Em 2001, deixou O Rappa e iniciou um novo projeto no grupo F.U.R.T.O (Frente Urbana de Trabalhos Organizados).

Em 2017, lançou seu primeiro trabalho solo, Canções para depois do ódio, no qual misturou ritmos eletrónicos e africanos.

Na esfera política, foi filiado por oito anos do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e chegou a ser candidato a vice-autarca do Rio de Janeiro em 2012, numa candidatura encabeçada por Marcelo Freixo (atualmente deputado estadual no Rio de Janeiro).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.