Museu vende quadros de Warhol para comprar obras de mulheres e afro-americanos

Museu de arte da cidade decidiu vender peças de pintores famosos para adquirir outras mais representativas da comunidade local.

O Museu de Arte de Baltimore (MAB), uma instituição fundada em 1914 naquela cidade da costa leste dos EUA, está a causar polémica depois de ter colocado à venda sete obras da sua coleção. O valor da venda dos quadros, assinados por artistas como Andy Warhol ou Robert Rauschenberg, irá servir para financiar a compra de peças de artistas pouco representados no museu, nomeadamente mulheres e afro-americanos.

A ideia "é corrigir ou reescrever o cânone artístico do [período] pós-guerra", explicou o diretor do museu, Christopher Bedford, um escocês de 40 anos que está há dois anos à frente da instituição, de acordo com o El País. É ele quem desvaloriza a polémica ao afirmar que a missão do museu é "reunir as obras mais relevantes da atualidade". E, por isso, a instituição terá de se livrar de "preconceitos", do "racismo institucionalizado" e da "discriminação de género", defende.

"A narrativa da nossa coleção não é precisa, porque é baseada em princípios de exclusão que não se ajustam aos nossos valores atuais", disse o diretor do museu.

Christopher Bedford defende que esse desequilíbrio é ainda mais flagrante numa cidade como Baltimore, de maioria afro-americana: segundo dados dos censos de 2010, 64% dos habitantes são negros. No entanto, numa tarde de verão, é difícil encontrar alguém no museu, exceto os seguranças que protegem as obras de arte.

As medidas tomadas para reverter esse afastamento do público tiveram início em maio, quando o MAB colocou cinco obras no leilão da Sotheby's em Nova Iorque. Entre as obras, estavam quadros da autoria de Franz Kline, Kenneth Noland e Jules Olitski, além de uma imagem de 1978 da série Oxidations, de Warhol, em que as cores da tela foram conseguidas através de uma reação química de urina, do próprio artista e dos seus assistentes.

Uma outra tela de Andy Warhol, Hearts (1979), será colocada à venda nas próximas semanas, além de um mural de Rauschenberg, "Bank Job" (1979), que é demasiado grande para ser exibido regularmente.

No total, a venda das obras, todas assinadas por homens brancos, deve render um mínimo de 12 milhões de dólares (10,3 milhões de euros), que farão parte de um fundo para preencher as lacunas na coleção do museu de obras de arte após 1945.

Atualmente, o orçamento anual do museu para novas aquisições é de 407 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.