Murakami foge do Nobel da Literatura alternativo

Com o cancelamento da atribuição do Nobel da Literatura este ano, uma Academia substituta vai anunciar esta sexta-feira o escritor que escolheu num 'referendo' alargado. Haruki Murakami pediu para sair da lista final.

A Nova Academia escolheu quatro escritores como finalistas do Nobel da Literatura alternativo ao que a Academia Sueca desistiu de conceder este ano após o escândalo que submergiu o júri deste prémio. Na short-list da Nova academia só se encontra um dos autores que todos os anos costuma ser um dos favoritos: Haruki Murakami. Que deu uma desculpa e pediu para ficar de fora.

Os restantes finalistas são a francesa Maryse Condé, a autora do Quebec Kim Thúy e o americano Neil Gaiman. Murakami justificou no seu Facebook a necessidade de se concentrar "na escrita" e de ficar longe da "atenção da comunicação social", situação que foi interpretada como querendo manter-se na lista verdadeira do Nobel da Literatura em vez de ser envolvido nesta e dificultar a sua escolha no futuro.

Depois do escândalo provocado pelo marido, Jean-Claude Arnault, de uma dos membros do júri sueco, a Nova Academia não quis deixar de celebrar a literatura e uma centena de personalidades formaram um comité que concederá o Prémio da Literatura da Nova Academia. Que será anunciado esta sexta-feira, momento após o qual a 'instituição' se extinguirá.

O processo de seleção iniciou-se com uma votação pública na Internet com 32 mil votantes, após o qual foram selecionados 46 autores e escolhidos três escritores na penúltima etapa. O quarto ficava de responsabilidade do 'comité' organizador.

De fora ficaram nomes de referência na literatura contemporânea, tal como todos os anos acontece com a verdadeira Academia, entre os quais Margaret Atwood, Don de Lillo, Joyce Carol Oates ou Amos Oz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?