Murakami foge do Nobel da Literatura alternativo

Com o cancelamento da atribuição do Nobel da Literatura este ano, uma Academia substituta vai anunciar esta sexta-feira o escritor que escolheu num 'referendo' alargado. Haruki Murakami pediu para sair da lista final.

A Nova Academia escolheu quatro escritores como finalistas do Nobel da Literatura alternativo ao que a Academia Sueca desistiu de conceder este ano após o escândalo que submergiu o júri deste prémio. Na short-list da Nova academia só se encontra um dos autores que todos os anos costuma ser um dos favoritos: Haruki Murakami. Que deu uma desculpa e pediu para ficar de fora.

Os restantes finalistas são a francesa Maryse Condé, a autora do Quebec Kim Thúy e o americano Neil Gaiman. Murakami justificou no seu Facebook a necessidade de se concentrar "na escrita" e de ficar longe da "atenção da comunicação social", situação que foi interpretada como querendo manter-se na lista verdadeira do Nobel da Literatura em vez de ser envolvido nesta e dificultar a sua escolha no futuro.

Depois do escândalo provocado pelo marido, Jean-Claude Arnault, de uma dos membros do júri sueco, a Nova Academia não quis deixar de celebrar a literatura e uma centena de personalidades formaram um comité que concederá o Prémio da Literatura da Nova Academia. Que será anunciado esta sexta-feira, momento após o qual a 'instituição' se extinguirá.

O processo de seleção iniciou-se com uma votação pública na Internet com 32 mil votantes, após o qual foram selecionados 46 autores e escolhidos três escritores na penúltima etapa. O quarto ficava de responsabilidade do 'comité' organizador.

De fora ficaram nomes de referência na literatura contemporânea, tal como todos os anos acontece com a verdadeira Academia, entre os quais Margaret Atwood, Don de Lillo, Joyce Carol Oates ou Amos Oz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.