Morreu Steve Ditko, que criou Homem-Aranha com Stan Lee

Ditko era famoso entre os admiradores do Homem-Aranha, também por outras criações no popular universo da editora Marvel

O norte-americano Steve Ditko, que criou com Stan Lee o super-herói Homem-Aranha, morreu aos 90 anos em Nova Iorque, informou hoje a polícia. As autoridades encontraram o corpo de Ditko, a 29 de junho passado, no apartamento em Nova Iorque.

Famoso entre os admiradores do Homem-Aranha (Spider-Man), criado em 1962, e também por outras criações no popular universo da editora Marvel, como a personagem Doctor Strange, Ditko manteve-se afastado da ribalta.

Nascido a 02 de novembro de 1927 em Johnston (Pensilvânia), Ditko cumpriu o serviço militar no exército, na Alemanha, após a Segunda Guerra Mundial e, quando regressou aos Estados Unidos, matriculou-se na escola de caricaturistas e ilustradores de Nova Iorque.

Desde meados dos anos de 1950 trabalhou para editoras como Charlton Comics e Atlas Comics, precursora da Marvel.

Em 1962, apresentou com Stan Lee a personagem do Homem-Aranha, um jovem com fabulosos poderes adquiridos após a picada de uma aranha, que acabou por se transformar num dos super-heróis mais populares da história da banda desenhada.

Ditko também assinou a criação de vilãos das histórias do Homem-Aranha, como Doctor Octopus e Duende Verde, todos retratados no cinema, tal como Doctor Strange.

Entre 2002 e 2007, Tobey Maguire foi o Homem-Aranha na trilogia dirigida por Sami Raimi. Em 2012 e 2014, foi a vez de Andrew Garfield ser o super-herói. Em 2017, coube a Tom Holland vestir a pele do protagonista, estando já a ser rodada a sequela, que deverá estreada no próximo ano.

De acordo com os meios de comunicação norte-americanos, Ditko nunca casou e não teve filhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.