Morreu Steve Ditko, que criou Homem-Aranha com Stan Lee

Ditko era famoso entre os admiradores do Homem-Aranha, também por outras criações no popular universo da editora Marvel

O norte-americano Steve Ditko, que criou com Stan Lee o super-herói Homem-Aranha, morreu aos 90 anos em Nova Iorque, informou hoje a polícia. As autoridades encontraram o corpo de Ditko, a 29 de junho passado, no apartamento em Nova Iorque.

Famoso entre os admiradores do Homem-Aranha (Spider-Man), criado em 1962, e também por outras criações no popular universo da editora Marvel, como a personagem Doctor Strange, Ditko manteve-se afastado da ribalta.

Nascido a 02 de novembro de 1927 em Johnston (Pensilvânia), Ditko cumpriu o serviço militar no exército, na Alemanha, após a Segunda Guerra Mundial e, quando regressou aos Estados Unidos, matriculou-se na escola de caricaturistas e ilustradores de Nova Iorque.

Desde meados dos anos de 1950 trabalhou para editoras como Charlton Comics e Atlas Comics, precursora da Marvel.

Em 1962, apresentou com Stan Lee a personagem do Homem-Aranha, um jovem com fabulosos poderes adquiridos após a picada de uma aranha, que acabou por se transformar num dos super-heróis mais populares da história da banda desenhada.

Ditko também assinou a criação de vilãos das histórias do Homem-Aranha, como Doctor Octopus e Duende Verde, todos retratados no cinema, tal como Doctor Strange.

Entre 2002 e 2007, Tobey Maguire foi o Homem-Aranha na trilogia dirigida por Sami Raimi. Em 2012 e 2014, foi a vez de Andrew Garfield ser o super-herói. Em 2017, coube a Tom Holland vestir a pele do protagonista, estando já a ser rodada a sequela, que deverá estreada no próximo ano.

De acordo com os meios de comunicação norte-americanos, Ditko nunca casou e não teve filhos.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.