Morreu o ator que interpretou "Robbie Reles", o vilão de "Vila Moleza"

O arqui-inimigo de "Sportacus" partiu aos 43 anos, vítima de cancro. Fãs lamentam a perda de uma figura que divertiu os miúdos durante uma década

O ator islandês Stefan Karl Stefansson, que interpretou a personagem de Robbie Reles na série infantil "Vila Moleza", transmitida em Portugal pela RTP e pelo Canal Panda, morreu esta terça-feira, aos 43 anos.

Stefansson sofria de um cancro nas vias biliares (fígado) desde 2016. Após uma cirurgia bem-sucedida, a doença acabaria por voltar mais agressiva este ano. Na página de Facebook da mulher - o ator era casado e pai de quatro filhos - contam-se aos milhares as homenagens e as mensagens dos fãs.

De acordo com um representante do ator, citado pela CNN, o ator morreu "junto da família e amigos". A sua morte foi também anunciada na página de Facebook da mulher, a atriz islandesa Steinunn Olina Thorsteinsdottir.

"O meu amado Stefan Karl Stefansson, 43 anos, faleceu depois de lutar contra um agressivo cancro biliar durante dois anos. Por desejo de Stefan, não haverá funeral. Os seus restos mortais serão espalhados em segredo num oceano distante. A família de Stefan quer expressar a sua gratidão pelo apoio e calor recebidos nos últimos anos e pela mais profunda simpatia dos muitos amigos e fãs de Stefan Karl", lê-se na publicação, que já conta com mais de nove mil partilhas e milhares de comentários.

Entre as reações à morte do ator, estão as de muitos pais que agradecem a Stefansson ter acompanhado a infância dos filhos, mas também de jovens que recordam a série e o vilão favorito de muitos miúdos.

"Cresci nos anos 90 e [Robbie Reles] era um ícone para muitos de nós. Lazy Town (Vila Moleza) com ele era maravilhoso. Via a série todas as tardes e ele era o meu favorito. Amava-o. Onde quer que estejas Stefan, muito obrigado por me teres ensinado tanto, ri-me e diverti-me muito contigo. Amo-te. Estarás sempre comigo, mestre do disfarce. Muita força e coragem desde Espanha", lê-se numa das mensagens.

Robbie Rotten, o nome original da personagem na série "Lazy Town", também no original, era o "campeão da preguiça e da inatividade", e usava todos os subterfúgios para fazer com que as crianças comessem alimentos nada saudáveis. Outra das suas missões era tentar que Sportacus - o herói da atividade física e da comida saudável - fosse banido da cidade, outrora um sítio de preguiçosos.

Stefansson interpretou Robbie Rotten entre 2004 a 2014 e foi diagnosticado com a doença dois anos após o fim da série. Os colegas do elenco de "Vila Moleza" começaram uma página de crowdfunding para apoiar o tratamento do ator, que ao longo dos anos foi partilhando o progresso com os fãs, nas redes sociais, incluindo a cirurgia a que foi submetido para remover várias metástases em junho de 2018.


Stefansson começou a sua carreira no Teatro Nacional da Islândia, e mais tarde estreou-se no filme "How the Grinch Stole Christmas" nos EUA, mas ficou famoso como Robbie Rotten.

"Entreter e fazer as crianças rir é a minha coisa favorita", disse o ator em 2017.

Em paralelo com a sua atividade de ator, Stefansson foi um ativista contra bullying e fundou uma instituição de caridade chamada "Rainbow Children" para ajudar as crianças vítimas de bullying. A associação fechou em 2014 devido à falta de financiamento, mas o ator continuou a dar palestras sobre o tema, recebendo até o apoio público do presidente islandês.

Recorde os melhores momentos de Robbie Reles em "Vila Moleza":

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.