Morreu o ator que interpretou "Robbie Reles", o vilão de "Vila Moleza"

O arqui-inimigo de "Sportacus" partiu aos 43 anos, vítima de cancro. Fãs lamentam a perda de uma figura que divertiu os miúdos durante uma década

O ator islandês Stefan Karl Stefansson, que interpretou a personagem de Robbie Reles na série infantil "Vila Moleza", transmitida em Portugal pela RTP e pelo Canal Panda, morreu esta terça-feira, aos 43 anos.

Stefansson sofria de um cancro nas vias biliares (fígado) desde 2016. Após uma cirurgia bem-sucedida, a doença acabaria por voltar mais agressiva este ano. Na página de Facebook da mulher - o ator era casado e pai de quatro filhos - contam-se aos milhares as homenagens e as mensagens dos fãs.

De acordo com um representante do ator, citado pela CNN, o ator morreu "junto da família e amigos". A sua morte foi também anunciada na página de Facebook da mulher, a atriz islandesa Steinunn Olina Thorsteinsdottir.

"O meu amado Stefan Karl Stefansson, 43 anos, faleceu depois de lutar contra um agressivo cancro biliar durante dois anos. Por desejo de Stefan, não haverá funeral. Os seus restos mortais serão espalhados em segredo num oceano distante. A família de Stefan quer expressar a sua gratidão pelo apoio e calor recebidos nos últimos anos e pela mais profunda simpatia dos muitos amigos e fãs de Stefan Karl", lê-se na publicação, que já conta com mais de nove mil partilhas e milhares de comentários.

Entre as reações à morte do ator, estão as de muitos pais que agradecem a Stefansson ter acompanhado a infância dos filhos, mas também de jovens que recordam a série e o vilão favorito de muitos miúdos.

"Cresci nos anos 90 e [Robbie Reles] era um ícone para muitos de nós. Lazy Town (Vila Moleza) com ele era maravilhoso. Via a série todas as tardes e ele era o meu favorito. Amava-o. Onde quer que estejas Stefan, muito obrigado por me teres ensinado tanto, ri-me e diverti-me muito contigo. Amo-te. Estarás sempre comigo, mestre do disfarce. Muita força e coragem desde Espanha", lê-se numa das mensagens.

Robbie Rotten, o nome original da personagem na série "Lazy Town", também no original, era o "campeão da preguiça e da inatividade", e usava todos os subterfúgios para fazer com que as crianças comessem alimentos nada saudáveis. Outra das suas missões era tentar que Sportacus - o herói da atividade física e da comida saudável - fosse banido da cidade, outrora um sítio de preguiçosos.

Stefansson interpretou Robbie Rotten entre 2004 a 2014 e foi diagnosticado com a doença dois anos após o fim da série. Os colegas do elenco de "Vila Moleza" começaram uma página de crowdfunding para apoiar o tratamento do ator, que ao longo dos anos foi partilhando o progresso com os fãs, nas redes sociais, incluindo a cirurgia a que foi submetido para remover várias metástases em junho de 2018.


Stefansson começou a sua carreira no Teatro Nacional da Islândia, e mais tarde estreou-se no filme "How the Grinch Stole Christmas" nos EUA, mas ficou famoso como Robbie Rotten.

"Entreter e fazer as crianças rir é a minha coisa favorita", disse o ator em 2017.

Em paralelo com a sua atividade de ator, Stefansson foi um ativista contra bullying e fundou uma instituição de caridade chamada "Rainbow Children" para ajudar as crianças vítimas de bullying. A associação fechou em 2014 devido à falta de financiamento, mas o ator continuou a dar palestras sobre o tema, recebendo até o apoio público do presidente islandês.

Recorde os melhores momentos de Robbie Reles em "Vila Moleza":

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.