Morreu o ator Albert Finney

O ator britânico famoso pelas suas interpretações shakesperianas faleceu hoje. Os seus papeis no cinema e na televisão tornaram-no conhecido do grande público a partir dos anos 1960.

Albert Finney nasceu em 1936 e o teatro foi a sua primeira grande paixão. Depois, o cinema e a televisão capturaram a sua capacidade de representação, tendo tido o seu primeiro grande sucesso com o realizador Tony Richardson no filme The Entertainer, cineasta que fora um antigo colega e que já tinha dirigido o ator no teatro .

O ator "nascido" para representar Shakespeare teve, no entanto, participações cinematográficas de relevo e muito diferentes, tendo atuado mais recentemente em filmes como Erin Brockovich (2000), em que foi nomeado para Ator Secundário nos Óscares, a saga Jason Bourne (2007 e 2012), ou no James Bond, Skyfall. Um dos seus mais curiosos papeis foi em O Grande Peixe (2003), de Tim Burton.

Premiado várias vezes nos Bafta, Globos de Ouro, Guilda dos Atores, também foi nomeado para os Óscares por quatro vezes para a categoria Melhor Ator: em Tom Jones (1963), Crime no Expresso Oriente (1974), O Fiel Camareiro (1983), e Debaixo do Vulcão (1984), onde protagonizava o ex-diplomata muito pouco sóbrio Geoffrey Firmin.

O ator tinha 82 anos e em 2011 foi dito que sofreria de cancro, mas a família negou e declarou hoje em curto comunicado que "morreu em paz após uma breve doença, na companhia dos mais íntimos" e pediu para que fosse respeitada a privacidade.

Entre os vários títulos dos jornais ingleses, existe um que define bem Albert Finney: "Morreu após décadas de entretenimento".

Finney nasceu Salford e cedo foi dirigido para a representação devido ao conselho dado por um seu professor. A Academia Real de Artes Dramáticas foi o próximo passo, onde teve como colegas Peter O"Toole e Alan Bates.

A participação no cinema deu-lhe grande projeção a cada novo filme, sendo considerado dono de uma personalidade com grande autoconfiança, carisma e ao mesmo tempo de uma sexualidade crua. Novamente com o diretor Tony Richardson Finney protagoniza Tom Jones, um filme que conquista quatro Óscares - perde para Sidney Poitier no óscar de Melhor ator.

Segundo o jornal The New York Times, Finney caracterizava-se por ter estado na ribalta de Hollywood durante mais de cinquenta anos, em grande parte devido ao sucesso de Tom Jones, em 1963.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.