Morreu a cantora Angela Maria, "Rainha da Rádio" brasileira

A cantora tinha 89 e acabara de completar 70 de carreira

Angela Maria morreu nesta sábado, mais de um mês depois de ter sido internada no Hospital Sancta Maggiore, em São Paulo, aos 89 anos, segundo o jornal A Folha de São Paulo. Com 70 anos de carreira, a cantora era conhecida como a "Rainha da Rádio".

Nasceu em Conceição de Macabu, distrito de Macaé. O seu verdadeiro nome era não Angela Maria, mas Abelim Maria da Cunha. Mais tarde o Presidente Getúlio Vargas dar-lhe-ia ainda outro nome: "Sapoti"

Angela Maria começou por mostrar a sua voz na fábrica de lâmpadas onde trabalhava e, mais tarde, chegiu onde sonhara: à rádio. Começou por imitar Dalva de Oliveira até encontrar a sua própria voz.

Um dos seus maiores sucessos foi Babalú, de Margarita Lecuona. Gravou mais de cem discos e vendeu milhares. O último que gravou foi Angela Maria e as Canções de Roberto & Erasmo, em 2017.

"O céu em festa. Nossa eterna rainha, uma das maiores vozes que nosso Brasil produziu. Setenta anos de uma carreira gloriosa. Uma inspiração na vida de todos nós, minha querida Angela Maria. Salve salve a rainha do rádio", escreveu a cantora Elza Soares na sua página de Facebook.

O seu biógrafo, Rodrigo Faour, autor de Angela Maria: A Eterna Cantora do Brasil, definiu-a como "uma das mais importantes e influentes cantoras do Brasil e de todos os tempos", segundo A Folha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".