Milhões de Festa regressa a Barcelos com Os Tubarões, Lena D'Água e Johnny Hooker

O festival dá hoje início à sua 11.ª edição, que regressa a Barcelos para levar aos vários palcos artistas como Electric Wizard, Os Tubarões, Squarepusher, Mouse on Mars ou Circle, entre outros.

Às 18.00 de hoje, no palco Cidade, cuja localização vai ser divulgada duas horas antes dos concertos, o Ensemble Insano abre o Milhões de Festa, que até domingo muda a paisagem de Barcelos

Ainda hoje, os palcos Taina e Milhões vão receber os concertos de Indignu, com Ana Deus, 700 Bliss, Mauskovic Dance Band, entre outros.

Até domingo os espectadores vão poder assistir a dezenas de atuações, entre regressos e estreias, numa edição que se realiza em setembro, em vez do habitual mês de julho.

Assim, vai ser possível ver concertos de Johnny Hooker, The Heliocentrics, Scúru Fitchádu, Warmduscher, Lena d'Água e Primeira Dama com a Banda Xita, Greengo, entre muitos outros.

Em declarações à Lusa, em julho, Márcio Laranjeira, da organização do festival, confirmou que haverá alterações, mas "não a nível do que é o festival, que continua a ser feito pelas mesmas pessoas, os espaços vão ser os mesmos, vai manter a mesma linha: a ideia de ser uma mostra do que está a acontecer naquele momento".

"Onde vai sofrer alterações será mais na dinâmica entre todos os espaços, entre os palcos, entre a cidade e os palcos, e a tónica maior é trabalhar melhor o tempo e o espaço, as coisas terem mais espaço para respirar entre elas", afirmou o programador, que explicou que querem contrariar a tendência de haver concertos simultâneos que obrigam o público a uma divisão entre palcos.

Márcio Laranjeira lembrou o que acontece em muitos festivais: "Ficas com aquela sensação de que viste demasiadas coisas e não viste nada, porque é demasiada informação. Este ano queremos contrariar esse ritmo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.