Autor dos Simpsons tem nova série. Conheça Matt Groening de A a Z

Desencantamento é o nome da nova série de animação. Depois de Os Simpsons e Futurama, Matt Groening leva a paródia ao género da fantasia. A estreia, na Netflix, acontece no dia 17. Altura para conhecer um pouco melhor a obra e o homem que começou por ser autor de banda desenhada.

A

Agustina Picasso. É a atual mulher de Matthew Abraham Groening. A argentina tem nome de artista e é artista. Juntos têm cinco filhos: Nathaniel, 5 anos, as gémeas India e Luna, de 3, e os gémeos Venus e Sol, nascidos em junho. De um anterior casamento, Matt, de 64 anos, tem os filhos Homer (27 anos) e Abe (25).

B

Bongo Comics. Publica desde 1993 banda desenhada relacionada com o universo dos Simpsons. Em 2011 começou a editar BD doutra personagem sem relação, SpongeBob. A editora foi fundada por Matt Groening, Steve e Cindy Vance e Bill Morrison. Mas este último foi dirigir a histórica revista MAD, agora em nova vida, e em julho foi anunciado que, ao fim de 25 anos, a editora iria deixar de publicar.

C

Charles Schulz. O autor dos Peanuts é considerado uma das mais fortes inspirações de Matt Groening. Mas há mais. Quando foi estudar belas-artes para o Evergreen, no estado de Washington, tornou-se amigo de Charles Burns e em especial de Lynda Barry, autores de BD.

D

Desencantamento. A série de animação que se estreia no dia 17 na Netflix é uma sátira ao género fantasia, tão em voga com A Guerra dos Tronos. Na Idade Média, em Dreamland (Terra dos Sonhos), Bean (com voz de Abbi Jacobson) é tudo o que não se espera de uma princesa: aventureira, boémia e indomável. A acompanhá-la o Elfo (Nat Faxo) e o demónio Luci (Eric Andre).

"Eu tenho cadernos cheios de personagens e comecei a desenhar criaturas fantásticas que não podemos fazer nos Simpsons e foi assim que começou", disse Groening aos jornalistas. "Preenchi um caderno de desenho com diabretes, gnomos, trolls e fadas... Josh [Weinstein] e eu criámos este universo e só chegámos à primeira dúzia de criaturas míticas." Sobre a planificação de Desencantamento, revelou: "Planeámos a série como um drama e depois acrescentámos piadas. Trabalha-se num mundo imaginário e ideal na nossa cabeça e depois acaba sempre por ser diferente do que esperávamos."

E

Edna Krabappel. É uma personagem de Os Simpsons que teve o seu fim quando a atriz que lhe dava voz, Marcia Wallace, morreu, em 2013. A personagem era professora e depois de longo assédio ao diretor da escola, Skinner, casou-se com Ned Flanders, o religioso vizinho dos Simpsons. A atriz, que iniciou a colaboração com a série desde o segundo episódio, foi distinguida com um Emmy, em 1992.

F

Futurama. Série de animação criada por Groening e David S. Cohen, em 1999. O alvo da paródia são as séries de ficção científica: a ação passa-se no ano 3000. O protagonista, Fry, ganhava a vida a entregar pizas no século XX, quando acidentalmente foi congelado. Saído do estado criogénico, Fry vai trabalhar numa empresa de entregas espaciais. Junta-se a um conjunto bizarro de personagens, do velhinho cientista professor Farnsworth ao médico Zoidberg, uma espécie de crustáceo alienígena desconhecedor do corpo humano, do robô demasiado humano (em mau) Bender à comandante da nave, a cíclope Leela.

O seu formato é parecido com Os Simpsons, mas sem travões e a apelar a um público menos generalista. Apesar de ter recebido boas críticas, o programa nunca alcançou a mesma popularidade e foi cancelado em 2003 pela Fox. Voltou à vida em quatro filmes realizados diretamente para o mercado de DVD e, em 2008, voltou ao formato série para a Comedy Central, mas acabou de vez em 2013, ao fim de 140 episódios. No ano seguinte, Os Simpsons renderam-lhe homenagem no episódio Simpsorama.

G

Gatos e cães. Ao longo da vida Matt Groening teve vários animais de estimação. Agora que tem a casa cheia, limita-se a ter uma salamandra chamada Ramone. A bicharada faz parte das suas criações na BD e também das séries de TV. Os Simpsons têm o galgo Little Santa's Helper (pequeno ajudante do Pai Natal) e vão no quinto gato. O atual mantém o nome do primeiro, Snowball (bola de neve), apesar de ser preto. Em Futurama, há o Nibbler, o animal de estimação da comandante Leela, que se revela uma entidade superior cujas fezes são matéria negra. Já Fry deixou no século XX o cão Seymour Asses.

H

Homer. É antes de mais o nome do pai de Matt. Foi publicitário, escritor, cartoonista e realizador amador. Registou em áudio o filho Matt a contar uma história às irmãs mais novas, Lisa e Maggie, e posteriormente fez um pequeno filme, The Story .

É este também o método de Matt: contar as histórias ou pormenores de quem está próximo. Fez isso com os filhos Homer (o outro que aqui interessa), que é conhecido como Will, e Abe. Escreveu Will and Abe's Guide to the Universe, uma banda desenhada com as conversas plenas de imaginação dos dois filhos mais velhos quando era infantes, e que o próprio declara ser o seu melhor trabalho. Ah, e Homer é também a personagem infantil e irresponsável que protagoniza Os Simpsons.

I

Igor Stravinsky. Foi ao ouvir na rádio a Sagraçãoda Primavera, do compositor russo, para dois pianos, que Matt Groening abriu os ouvidos para lá do óbvio na música pop e rock. Hoje é um melómano e colecionador de música de todo o mundo.

J

James L. Brooks. O produtor, argumentista e realizador, fã da BD de Matt Groening Life in Hell, convidou-o em 1987 a adaptá-la a um programa de TV. Mas como este temeu perder os direitos daqueles comics, inventou uma família disfuncional, cujas aventuras duravam 15 segundos entre o Tracey Ullman Show e a publicidade. Foi assim que Os Simpsons começaram.

K

Krusty the Clown. É uma das personagens mais icónicas e complexas de Os Simpsons. Filho de um rabino, Herschel Krustofsky é um palhaço cujo sucesso assenta mais na venda da linha de produtos (muitos deles defeituosos, maus para a saúde ou inúteis) com o seu nome do que nas qualidades do seu humor ou do programa de TV que mantém. Viciado, maníaco-depressivo, desligado dos fãs, colecionou 14 casamentos. Tanto exagero refletiu-se no coração, que teve de levar um pacemaker. Krusty tem o corpo igual ao de Homer Simpson. Durante o programa de TV de Krusty passam os violentos desenhos animados Itchy & Scratchy Show.

L

Life in Hell. Como que numa vida anterior, muito antes de ter uma estrela no passeio da fama de Hollywood, Matt Groening foi um autor de BD de sucesso. Life in Hell (Vida no Inferno) começou por ser uma tira escrita e desenhada para os amigos sobre a sua experiência em Los Angeles. Passou entretanto a vender fotocópias nos empregos e em 1978 começou a ser publicado na revista Wet. Em 1980 migrou para o Los Angeles Reader.

O sucesso da família de coelhos Sheba, Binky e Bongo e os amigos gay não declarados Akbar e Jeff espalhou-se ao longo dos anos até 250 publicações em simultâneo nos Estados Unidos. No periódico de LA, Matt Groening teve ainda uma coluna a seu cargo onde começou por fazer crítica musical de pop e rock (sem ouvir os discos). Insatisfeito, começou a inventar grupos e discos, o que lhe valeu o despedimento. Já Life in Hell chegou a 2012, ano em que o seu autor deu por finda a sua colaboração regular nos comics.

M

Mom. Não deixa de ser irónico que Matt Groening tenha feito de Os Simpsons um hino à família e em Futurama usa o familiar nome de mom (mamã) para uma personagem perversa e que não olha a meios para atingir os fins. Mom é a multimilionária dona da empresa Momcorp.

N

Nixon. O antigo presidente dos EUA é uma das personagens de Futurama. A cabeça de Richard Nixon preside ao planeta Terra no século XXXI. Outros políticos, como George Bush ou Bill Clinton, atores como Jack Nicholson ou Elizabeth Taylor ou o próprio Matt Groening têm as cabeças preservadas em jarras no museu de Nova Nova Iorque (assim mesmo).

O

Oregon. É o estado natal de Matt Groening. Nasceu em Portland, e na escola já demonstrava que tinha a veia criativa e o talento do pai. Apesar de desaconselhado pela figura paterna, ao entrar na idade adulta prosseguiu os estudos nas belas-artes em Olympia, estado de Washington. Daí mudou-se para Los Angeles, Califórnia, e não mais mudou de estado.

P

Personagens secundárias. São dezenas e dezenas, daquelas que têm um papel com importância como o dono da central nuclear Mr. Burns a outras que só aparecem para dar cor, como Bumblebee Man, o homem vestido de abelha que só diz frases como "Ay ay ay, Dios no me ama". Mas umas e outras dão o tom a Os Simpsons. A mesma lógica aplica-se a Futurama.

Q

Quadro de honra. As séries foram nomeadas para 25 Emmys, tendo recebido 12. Em 2004, Matt Groening foi distinguido com um British Comedy Award. Já os pares da banda desenhada premiaram o seu trabalho em 2002 (prémio Reuben).

R

Rock Bottom Remainders. Foi um grupo musical constituído por escritores e jornalistas, e que incluía Matt Groening (na bateria), Scott Turow ou Stephen King, entre outros. Tinha como objetivo recolher fundos para causas humanitárias. Teve como ponto alto a participação de Bruce Springsteen num encore. O autor de Nebraska terá dito no fim: "Não sejam melhores", uma declaração que pode ser lida de várias formas, como Groening disse numa entrevista à Rolling Stone .

S

Simpsons. É aquela família quase universalmente conhecida, constituída por Marge e Homer, os filhos Bart, Lisa e Maggie e o avô Abe. Exceto Bart, que é um anagrama de brat (fedelho), os restantes nomes são tirados da família próxima de Matt Groening. A ação passa-se numa imaginária Springfield, um nome de cidade existente em metade dos estados americanos.

A série, na temporada 29, é recordista de longevidade e de número de episódios, e foi um fenómeno cultural que inspirou um filão de séries de animação e de humor. Matt Groening não abdica do papel de produtor executivo da série. No entanto, a crítica há muito aponta para o declínio de qualidade. As audiências também têm baixado de forma consistente. Em 2007 chegou ao cinema com Os Simpsons: o Filme.

T

Trump. Tornou-se famosa a previsão de que Donald Trump seria presidente dos EUA. "Previmos em 2000 - mas foi, é claro, o nome mais absurdo que poderíamos pensar na época, e isso ainda é verdade. Está para lá da sátira", disse em entrevista ao The Guardian , quando o empresário era candidato.

U

U2. É um exemplo, entre uma lista enorme de convidados especiais em Os Simpsons - o programa é recordista em participações especiais. A banda irlandesa apareceu no episódio 200, Trash of the Titans. O grupo de Bono e companhia canta uma paródia (Garbage Man) ao original de Charlie e a Fábrica de Chocolate, Candy Man.

V

Vinte. É o número de episódios de Desencantamento que a Netflix encomendou a Matt Groening e companhia, divididos em duas temporadas.

W

Whisky a Go Go. Quando Matt Groening rumou a Los Angeles trabalhou no famoso bar de música ao vivo, onde diz ter servido clientes como Elvis Costello ou Patti Smith. Também trabalhou na loja de discos Licorice Pizza.

X

Mr. X. É um site que Homer Simpson fez de má-língua e rumores, num episódio, em 2003. A mistura de notícias sobre a vida privada com fake news de certa forma antecipa muito do lixo existente hoje na internet. O curioso é que a Fox manteve durante alguns anos, na realidade, o site que tem títulos como "Espanhol e italiano são a mesma língua" ou "Eles controlam as nossas mentes com as vacinas para a gripe".

Y

Yancy Fry. Nem as mais rebuscadas soap operas conseguiram tal feito. Yancy Fry é em simultâneo o pai e o filho do protagonista de Futurama, Fry, graças a um regresso ao passado deste.

Z

Zappa. Várias personalidades recusaram participar em Os Simpsons. Frank Zappa acedeu só que ficou demasiado doente e acabou por morrer antes de poder participar num episódio. É o maior desgosto de Matt Groening, fã do génio, em relação à série. Em jeito de compensação, Groening desenhou a capa de um álbum póstumo do compositor, guitarrista e cantor, Frank Zappa Plays the Music of Frank Zappa: A Memorial Tribute.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)